Ato na Matriz mostra união dos povos, independente de religião

A Matriz de Nossa Senhora da Candelária mais uma vez ficou lotada na penúltima noite do ano, 30 de dezembro, para a já tradicional missa solene e o ritual da lavagem da escadaria da igreja com água de cheio, ato praticado por representantes das tendas de Umbanda e Candomblé de Corumbá, um dos destaques da programação de final de ano na cidade, e que une os mais diferentes segmentos religiosos.

A missa e a lavagem da escadaria da Matriz fazem parte do calendário cultural da cidade. São realizadas em parceria pela Prefeitura Municipal, por meio da Fundação de Cultura do Pantanal de Corumbá e pelos religiosos, "um encontro de religiões, que mostra a crença das pessoas, manifestando dentro de cada uma delas, o desejo de um próximo ano promissor, 2011", como bem define o prefeito Ruiter Cunha de Oliveira que, este ano, devido a agenda, não pode participar do culto. Foi representado pelo seu vice, Ricardo Eboli.

Mais uma vez a missa foi comandada pelo padre Celso Ricardo da Silva, que destacou o ato como um momento de alegria, uma festa de paz, de purificação da escadaria por onde passa o "povo de Deus", e que a Igreja Católica e a Umbanda e o Candomblé, deram mais um exemplo de que "as diferentes doutrinas religiosas não impedem que os povos vivam em paz". Para ele, foi "uma festa que nos faz cada vez mais irmãos" e que a "igreja sempre estará de portas abertas para receber os irmãos de outras religiões".

O padre relembrou quando, há quase uma década, foi procurado pelo pai de santo Clemilson Medina, que projetou esta realização. "No Candomblé, um dos mandamentos é que temos que levar o iniciante no dia seguinte, à igreja. Ao levar um deles, fui repreendido pela igreja da comunidade", conta Clemilson que procurou o padre Celso na Matriz de Nossa Senhora da Candelária. "Ele me disse que a Casa de Deus estava aberta para todos seus filhos, e ele, como zelador de religião, tinha consciência de trazer um iniciado de outra religião à Casa de Deus, e que isto estaria provando que Deus é único", confidenciou o religioso.

E foi justamente para homenagear o apoio recebido por parte da igreja mais antiga do Mato Grosso do Sul que "resolvemos fazer a lavagem da escadaria com água de cheio, o que, antes, só acontecia em Salvador", reforçou, antes de, ao lado de seus companheiros, representantes das tendas das 40 tendas de Umbanda e 20 de Candomblé, participar da missa, para, em seguida, purificar a escadaria da Matriz com 54 litros de água de cheio, ato acompanhado pelo padre Celso, autoridades presentes e pela comunidade.

O presidente da Fundação de Cultura e Turismo do Pantanal de Corumbá, Carlos Porto, participou do ato religioso e destacou a importância daquele momento para a comunidade corumbaense, tanto que o programa já integra o calendário cultural da cidade e, há cada ano, atrai turistas. Desta vez, a missa e a lavagem contou com presenças de representantes da Umbanda e do Candomblé de Campo Grande.

Após a purificação da escadaria, todos desceram em direção ao Porto Geral, para a louvação a Iemanjá, Rainha das Águas, no rio Paraguai. Mais uma vez, os representantes do Candomblé e da Umbanda se uniram para render homenagens à Rainha das Águas lançando oferendas no rio Paraguai ao som de atabaques e cânticos em Iorubá – idioma africano.