Povo das Águas levou atendimento a 182 famílias do Pantanal Sul

Entre quinta-feira e domingo (4 a 7), 15 servidores da Prefeitura de Corumbá, integrantes do Programa Social Povo das Águas, levaram os mais diferentes tipos de atendimento em saúde, assistência social e educação a 182 famílias ribeirinhas residentes ao longo do Rio Paraguai, entre a sede do município e a comunidade de Forte Coimbra, no Pantanal Sul. O número exato de atendimentos realizados pela equipe ainda será calculado pela Secretaria Especial de Integração das Políticas Sociais, coordenadora da iniciativa, mas a estimativa é de que a quinta edição do programa tenha beneficiado pelo menos 700 pessoas de cinco regiões.

Logo na manhã da quinta-feira, quando o grupo deixou o Porto Geral de Corumbá para quatro dias de trabalho, 20 famílias da Boca do Rio Paraguai Mirim foram atendidas no Porto Formigueiro. Como nas edições anteriores da ação, foram oferecidos serviços médico e odontológico, medicamentos, vacinas, cadastro para programas sociais do Governo Federal e brincadeiras lúdicas paras as crianças, além do levantamento das demandas da comunidade para encaminhamento à Assistência Social da Prefeitura. A secretaria também realizou a entrega de itens de primeira necessidade, como cestas básicas, lonas, roupas, material de higiene e limpeza, e brinquedos.

Após quase 18 horas de viagem, a equipe iniciou na manhã da sexta-feira (5) o atendimento às 24 famílias da comunidade Forte Coimbra. O trabalho foi divido entre a Escola Municipal Ludovina Portocarrero (assistência social, educação e cadastros) e o Posto Médico da 3ª Companhia de Fronteira, do Exército Brasileiro (atendimentos médico e odontológico e vacinas). Embora tenha sido utilizada estrutura militar para o trabalho de saúde, a maioria dos atendidos era de pescadores e piloteiros. "Mesmo morando ao lado de um monumento militar, a necessidade das famílias é grande", disse o professor Adriano Ortigoza, diretor da instituição de ensino.

Durante toda a manhã do sábado (6), foi a vez de a comunidade de Porto Esperança receber os serviços, com a equipe instalada nas salas da Escola Municipal Rural Polo Porto Esperança e o atendimento a 55 famílias. Pouco depois do meio-dia, o grupo já estava no rio novamente para atender mais 37 famílias das imediações do Porto Morrinho. Neste caso, os servidores partiram em voadeiras para chegar ao Porto da Odila a tempo de prestar os serviços, que começaram por volta das 14h30. Antes das 18 horas, o dia mais produtivo da ação já estava concretizado, beneficiando mais de 90 famílias, com todos os serviços oferecidos e itens entregues.

Já no domingo (7), o grupo amanheceu no Porto da Manga para atender mais 46 famílias, com materiais e equipamentos improvisados na base do Galpão do Porto. "Meu filho foi atendido e tomou remédio para gripe. Eu tomei vacina e ainda estou levando cesta básica, lona, roupas e brinquedos para ele. Esse serviço é demais de bom", afirmou a pescadora de isca Vanilza Fernandes Barbosa, 40 anos. "Tem uma dor no meu braço que não passa, mas agora, depois da consulta e dos remédios que vou tomar, tenho certeza de que vou ficar boa logo. Por isso, essa ação é tão importante, pois vem até nós", completou a pescadora Catarina Fernandes Xavier, 67 anos.

Quando o último vale que dava direito aos quites de primeira necessidade foi entregue por uma das servidoras da Secretaria de Políticas Sociais – última etapa do atendimento -, o relógio cravava 12 horas, exatamente o horário previsto para o término da quinta edição, comprovando a precisão do trabalho e o sucesso da ação. Logo em seguida, os servidores e a tripulação do barco Éda Ipê III receberam como ‘recompensa' um almoço especial com peixe frito, a escabeche e a urucum. Em seguida, partiram de carro pela Estrada Parque Pantanal para a sede do município. A próxima edição do Povo das Águas, sexta e última do ano, já está marcada para começar no dia 3 de dezembro.