Funcionários do Hospital de Caridade comemoram salários em dia

Nos últimos 6 meses, os funcionários do Hospital de Caridade de Corumbá receberam seus salários dentro do mês trabalhado, fato inédito na principal instituição médica da região. "Como dependíamos dos repasses do SUS (Sistema Único de Saúde), o pagamento não tinha data certa para acontecer. Às vezes saia no dia 10 ou ainda até no dia 20", relembra Roseara Ferra, técnica em Segurança do Trabalho da Santa Casa desde 2005.

A indefinição acabava atrapalhando o orçamento pessoal dos servidores. "Acabava pagando algumas contas depois do vencimento, o que acarretava juros. Agora com o salário em dia, o dinheiro rende mais", continuou Roseara. Outra conquista bastante comemorada pelos funcionários do hospital foi a regularização do vale-transporte. "Isso nos ajuda bastante. Tinha ano em que recebíamos 2 meses, em outro 3, e o resto do ano ficávamos sem", contou Antônio Carlos de Lima, auxiliar de Recursos Humanos há 18 anos.

Contente com adiantamento da primeira parcela do 13º terceiro salário, pago aos trabalhadores do Hospital da Caridade nesta terça-feira (30), Antônio Carlos revelou que pretende guardar o dinheiro para aproveitá-lo nas férias. "Quero viajar na metade do ano quem", disse. Auxiliar administrativa há 23 anos, Tânia Marques Galvão acredita que as melhorias na Santa Casa estão apenas no início.

"Acredito que deve melhorar ainda mais, pois já está encaminhando para isso. É o único hospital da nossa região e precisamos preservá-lo", afirmou. Como exemplo, ela citou a participação da comunidade dentro da instituição. "A sociedade tem marcado presença. Sempre vemos informativos de doações feitas por várias entidades. Agora mesmo, a fachada está sendo pintada graças a donativos", complementou.

Humanização

Parceiro importante da Junta Interventora, o Grupo de Humanização do Hospital de Caridade de Corumbá realiza diversas ações voltadas à instituição médica. "Graças a doação dos nossos parceiros, principalmente a Receita Federal, conseguimos ajudar na reformar da pediatria e do SB1", destacou Roseara Ferra, integrante do grupo, cuja nova diretoria assume em dezembro. "Nosso objetivo é proporcionar melhor qualidade tanto para os pacientes quanto aos funcionários", complementou.

Conforme o último relatório apresentado pela Junta ao Ministério Público Estadual (MPE), entre os dias 12 de maio e 12 de setembro deste ano, o Hospital de Caridade de Corumbá teve receita de R$ 3.836.038,80, considerando todas as fontes regulares e convênios com planos de saúde. Nesse mesmo período, as despesas foram de R$ 3.737.084,90, também incluindo todas as despesas correntes, aquisições e até mesmo pagamento de multas trabalhistas. Esses números demonstram que, desde que a Junta Interventora assumiu a administração da instituição, houve um superávit (diferença entre o que é arrecadado e o que é gasto) de R$ 98.953,90.

Da receita de R$ 3.836.038,80 divulgada pela Junta Interventora, R$ 2.434.281,40 são oriundos da contratualização com o Ministério da Saúde e a Secretaria de Estado de Saúde; R$ 574.800,00 de repasse da Prefeitura Municipal para pagamento de plantões médicos; R$ 36.904 oriundos do pedágio na Rodovia Ramão Gómez, R$ 83 mil também repassados da Prefeitura; R$ 350.902,12 de convênios com planos de saúde e empresas; R$ 300.000,00 do repasse Termo de Ajustamento Judicial (TAJ) assinado entre as prefeituras de Corumbá, Ladário e a Secretaria Estadual de Saúde; R$ 125.996,17 de atendimentos particulares; e 13.154,28 de receitas aluguéis, contribuição de sócios e outros.

Já as despesas que totalizaram R$ 3.737.084,90 são divididas em: pagamentos de médicos – produção do SUS, convênios, e plantões (R$ 690.880,07); aquisição de medicação e materiais de procedimentos (R$ 444.585,09); folha de pagamento/prestadores de serviços (R$ 1.469.565,04); vale-transporte (R$ 20.525,20); bloqueio judicial e multas trabalhistas (R$ 22.845,34); telefone (R$ 16.108,82); plantões médicos repassado pela Prefeitura Municipal Corumbá (R$ 574.800); ações trabalhistas (R$ 43.064,79); despesas com manutenção e higienização hospitalar (R$ 60.819,85); gás GLP (R$ 4.402); material de expediente, tarifas bancarias, Correios e cartório (R$ 19.883,12); impostos, tributos e encargos (R$ 238.563,06); alimentação (R$ 72.534,08); despesas com informática, oxigênio e outros (R$ 58.508,44).