Corumbá reduz índices de analfabetismo nas séries iniciais

Desenvolvido por meio de uma parceria entre a Prefeitura de Corumbá e o Instituto Ayrton Senna, o programa Se Liga está mudando radicalmente a vida de cerca de 300 crianças que, até pouco tempo atrás, não sabiam ler nem escrever. O resultado é tão satisfatório que levou a Secretaria Executiva de Educação a buscar a manutenção desta importante ferramenta por mais dois anos, alcançando os anos letivos de 2011 e 2012. É o que informa o secretário Hélio de Lima, confiante em um grande salto no nível de ensino nas séries iniciais com a continuidade do programa e, consequentemente, o melhor aproveitamento no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb).

"Iniciamos o programa neste ano e o resultado está sendo altamente positivo. Vamos continuar nos próximos dois anos e temos certeza de que Corumbá estará em outro patamar", visualiza o secretário, muito confiante na metodologia que está sendo aplicada na Rede Municipal de Ensino (Reme) a partir do estabelecimento desta parceria com Instituto Ayrton Senna.

Ele argumenta que, em 2009, pôde observar que muitas crianças, nas séries iniciais, não tinham o domínio da leitura e nem da escrita. Eram alunos que chegavam a repetir até quatro vezes o ano. "Isto causava uma preocupação muito grande, aumentava o índice de reprovação, bem como de evasão escolar", observou, acrescentando: "Tratamos da questão diretamente com o prefeito Ruiter (Cunha de Oliveira – PT), que se mostrou sensível à causa, abrindo espaço para que encontrássemos uma ferramenta capaz de combater o problema".

Hélio comenta que, após pesquisas, encontrou no Instituto Ayrton Senna a parceira ideal para combater o analfabetismo e a evasão escolar nas séries iniciais do Ensino Fundamental. "Eles disponibilizam ferramentas importantes e uma delas é o programa Se Liga, que tem contribuído muito para reduzir o analfabetismo entre nossas crianças, algo em torno de 90%", ressaltou.

Após estabelecer convênio com o Instituto, o primeiro passo foi a capacitação dos professores, que passaram a aplicar uma metodologia estabelecida pelo próprio programa, com material didático próprio. "Podemos afirmar com certeza que, em menos de um ano, o Se Liga está interferindo de forma positiva na melhoria da educação e na qualidade de vida dessas crianças. Por isso a necessidade de continuarmos por mais dois anos, pelo menos, para atingirmos o patamar esperado", analisou, lembrando que ainda há muitas crianças com as mesmas dificuldades de aprendizado nas séries iniciais.

O secretário reforça o quanto o resultado alcançado até o momento é gratificante: "A Prefeitura tem investido alto na parte física das escolas, reformando, ampliando, construindo quadras de esportes cobertas e iluminadas, tudo para garantir a melhoria da qualidade de ensino das nossas crianças. Mesmo assim, ainda encontrávamos problemas com o aprendizado, que agora estão sendo combatidos e continuarão a ser pelos próximos dois anos". Por fim, ele lembra que é este o papel da educação: ajudar as pessoas a se desenvolver, trabalhando não só os alunos, mas também as famílias. "E isto está sendo feito com visitas às casas, num contato mais direto com os pais", completou.

Acelera Brasil

O secretário Hélio observa que, a partir deste ano, não é apenas o Se Liga que passou a fazer parte da grade curricular da Reme de Corumbá. O Acelera Brasil, outro programa do Instituto Ayrton Senna, também está fazendo parte do dia-a-dia dos estudantes corumbaenses. O Se liga é voltado à alfabetização das crianças nas séries iniciais, que repetem porque não sabem ler nem escrever. Já o Acelera Brasil é um programa emergencial, de correção de fluxo do Ensino Fundamental, que combate a repetência, elemento gerador da distorção entre a idade e a série que o aluno frequenta e, também, do abandono escolar.

Atualmente, cerca de 250 crianças da Reme estão integradas ao Acelera Brasil. Elas fazem parte de um grupo de 550 alunos, distribuídos em 27 turmas de 19 escolas corumbaenses, 15 na área urbana e quatro na zona rural. São 14 turmas no Acelera e 13 no Se Liga, com no máximo 25 alunos por classe, todas multisseriadas. "O resultado desses dois programas está sendo sensacional. São duas iniciativas belíssimas que estão transformando a escola em uma rede do saber, com os professores trocando conhecimentos, cada um repassando a experiência adquirida ao outro. Temos certeza que o resultado de tudo isto será observado no próximo Ideb", finaliza o secretário.