Galeria vai livrar definitivamente bairro Aeroporto de inundações

A Prefeitura de Corumbá está implantando nova galeria de águas pluviais na cidade. O trabalho está sendo executado no bairro Aeroporto, integrando um grande projeto iniciado pelo prefeito Ruiter Cunha de Oliveira (PT) para eliminar definitivamente inundações em períodos de chuvas intensas tanto naquele bairro quanto na Popular Nova, Jardim dos Estados, Nossa Senhora de Fátima, Popular Velha e Centro América, entre outros. Com investimentos que somam R$ 5,1 milhões, esta é a segunda galeria em implantação no município com recursos do Governo Federal, por meio do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), e contrapartida municipal.

As obras foram iniciadas pela Rua Joaquim Wenceslau de Barros, passando pela José Fragelli, até a Popular Nova. "Esta galeria será responsável direta pela captação de águas pluviais de toda a região do Aeroporto, Popular Nova, Jardim dos Estados e bairros próximos. Ela vai permitir a interligação à galeria existente no fim da pista do Aeroporto Internacional", informou o secretário de Infraestrutura e Serviços Urbanos, Ricardo Ametlla, lembrando que as duas galerias foram planejadas pelo prefeito Ruiter ainda no início de sua primeira gestão, quando vários bairros localizados no início da parte alta da cidade sofreram inundações.

Ametlla observou também que outra galeria está projetada para ser construída na Rua Luís Feitosa, passando pela Duque de Caxias até a Joaquim Wenceslau de Barros. "Toda a água captada será conduzida por meio de um canal, à beira do trilho, e interligado à galeria do Aeroporto Internacional", explicou. Ele observou ainda que esta galeria em implantação segue o mesmo padrão da obra em execução na Rua Geraldino Martins de Barros, antiga Oriental. Serão cerca de três quilômetros, com diâmetros de 2,5 por 2 metros.

Expectativa

Enquanto os trabalhos estão sendo executados na Rua Joaquim Wenceslau de Barros, ao lado da área da Infraero, moradores do trecho demonstram otimismo. É o caso de Áurea da Conceição, 84 anos, dos quais 35 residindo na esquina da Marechal Floriano com a João Wenceslau de Barros. "Aqui, quando chove, a água bate na canela. É muito sacrifício. Mas Deus vai ajudar e, com esta galeria, vai acabar com o nosso sofrimento", afirma, esperançosa.

Também residente na Wenceslau de Barros, Maria Lúcia Barbosa, 36 anos, relata que há dias vinha observando a movimentação, mas não sabia que se tratava da implantação de uma galeria. Agora, ela está otimista: "Será muito bom para todos nós. Em época de chuva, a água invade nossas casas, as ruas ficam intransitáveis, um sofrimento só. Agora vai melhorar", comenta. A Rua Joaquim Wenceslau de Barros está localizada às margens da estrada de ferro e, neste sentido, Natalino Soares da Silva, 51 anos, diz que a galeria será a solução. "Além de invadir as casas, a água faz com que os trilhos fiquem submersos, transformando-se em um canal", conta.

Rua Geraldino

Outra galeria está em fase de implantação na cidade, desta vez na Rua Geraldino Martins de Barros. Com cerca de 900 metros de extensão, vai interligar a galeria do Cristo Redentor, que passa pela Popular Velha, até aquela existente no centro da cidade, na Rua Tenente Melquíades de Jesus, ao lado da Escola Tenir. Os serviços foram iniciados pela Rua Tenente Melquíades, passaram pela Colombo e estão agora na Geraldino de Barros. Todas as galerias serão responsáveis pelo escoamento da água pluvial da parte alta da cidade até o Rio Paraguai.