Dengue: LIRAa aponta índice de 1,0%, mas Saúde está em alerta

Os números do último LIRAa, quinto ciclo, foram divulgados na manhã desta segunda-feira (13) pela Gerência de Vigilância em Saúde, da Secretaria Executiva de Saúde Pública. Além dos reservatórios, o setor está preocupado também com os depósitos móveis (vasos e pratos, frascos com plantas, bebedouros de animais, e outros), responsáveis por 6,7% da incidência de infestação.

O levantamento será apresentado aos integrantes do Comitê de Combate à Dengue no encontro ocorre às 10 horas desta quarta-feira, no auditório do Paço Municipal. A gerente Viviane Ametlla informa que, além da apresentação do resultado do LIRAa, a reunião será importante para discutir os informes mensais da dengue, bem como o plano de contingência e, além de tratar das ações que serão desencadeadas no próximo verão. “Com o verão, aumentam as probabilidades de vivenciarmos uma epidemia de dengue no município. Portanto, precisamos unir forças para evitar que isto ocorra”, observou.

O último LIRAa foi desenvolvido em quatro regiões da cidade (estratos) e, apesar da área urbana estar com 1,0%, há localidades que preocupam o setor de Saúde Pública. No estrato um, por exemplo, a incidência foi de 0,76%. No entanto, no bairro Cervejaria, o levantamento apontou 2,13%, acima do aceitável. Já o Dom Bosco está com 1,16%. Arthur Marinho, Generoso e Centro 1 tiveram índices abaixo de 1,0%.

No estrato dois, a situação é bem tranquila. O índice ficou em 0,29%. O Centro registrou 0,60%, enquanto no Beira Rio, Maria Leite, Universitário, Industrial e Previsul não foram detectados focos. Já no estrato três, que registrou 0,73%, a Saúde está preocupada com o Centro América (3,45%) e a Popular Velha (1,94%). Cristo Redentor, Nossa Senhora de Fátima e Guatós ficaram com 0,0%.

Há p0reocupação também com os bairros que integram o estrato quatro, cuja incidência ficou com 2,29%. Dos cinco bairros, apenas o Guarani ficou com índice zerado. A Popular Nova registrou 3,33%; o Jardim dos Estados 3,17; o Aeroporto com 2,50, e a Nova Corumbá 1,56%, todos acima do aceitável. Viviane explicou, por fim, que o trabalho realizado pela equipe do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) vai direcionar as ações que serão desencadeadas neste período que antecede o verão.

Antônio Carlos – Subsecretaria de Comunicação Institucional