Se Essa Rua Fosse Minha capacita 75 trabalhadores em Corumbá

Clóvis Neto

No momento os calceteiros cumprem a segunda etapa da capacitação, que inclui técnicas de fabricação e assentamento de lajotas

Sob coordenação da Secretaria Especial de Integração das Políticas Sociais, a Prefeitura de Corumbá está capacitando 75 trabalhadores para realizar pavimentação de ruas e alamedas das localidades onde residem. A capacitação começou em 22 de julho e vai até 14 de setembro, como parte da sétima etapa do projeto Se Essa Rua Fosse Minha. Após este período de aprendizagem, eles iniciam os trabalhos em campo, fabricando e assentando lajotas sextavadas, beneficiando as comunidades do Cherogamy, Conjunto Primavera e bairro Cristo Redentor.

Para a secretária especial de Integração das Políticas Sociais, Beatriz Cavassa de Oliveira, a iniciativa está possibilitando a formação de trabalhadores e, ao mesmo tempo, permitindo o embelezamento das localidades onde eles residem. Ela tem acompanhado de perto os serviços, inclusive os programas sociais desenvolvidos paralelamente à pavimentação de ruas e alamedas. Desta vez, o projeto vai atender também o 17º Batalhão de Fronteira, por meio de uma parceria estabelecida com o Exército Brasileiro, que vai permitir a pavimentação das Alamedas A e B, dentro da instituição militar, que conta com 15 soldados participando do curso.

A secretária lembra que o curso é realizado pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), parceiro da prefeitura desde a formatação do projeto, iniciado na gestão anterior do prefeito Ruiter Cunha de Oliveira (PT). No momento, os calceteiros, como são chamados, cumprem a segunda etapa do componente curricular – técnicas de fabricação e assentamento de lajotas. Antes, todos participaram de aulas sobre Segurança do Trabalho e Meio Ambiente.

Esta etapa prática é realizada na própria fábrica da prefeitura, no galpão da Secretaria Executiva de Infraestrutura e Serviços Urbanos, ao lado do Paço Municipal. Para facilitar o aprendizado, o grupo está dividido em três turmas. Cláudio Estrela, instrutor e responsável por duas equipes, diz que a etapa do curso é importante para que os alunos “peguem as técnicas da fabricação e do assentamento das lajotas”. Conforme ele, o resultado está sendo muito produtivo. Só na prática, a carga é de 40 horas/aula.

Vanessa Rodrigues da Costa, 25 anos, residente no Guanã I, diz que o aprendizado está sendo importante. Enquanto observa o instrutor passando as informações sobre como fabricar uma lajota, ela já visualiza o futuro: “Quero ajudar a pavimentar as ruas da região onde moro, embelezar o meu bairro e depois, quem sabe, conseguir um emprego e aumentar a minha renda familiar”, diz, sem se preocupar se o serviço é pesado ou não.

Esta etapa será concluída no próximo fim de semana e, na segunda-feira (9), os alunos iniciam as aulas de práticas profissionais, que vão até 14 de setembro, num total de 100 horas de aprendizado. Os calceteiros também terão 70 horas de Educação à Distância. Após a capacitação, o grupo inicia a pavimentação de nove ruas e alamedas – Aroeiras, Tarumã, o Setor 13 (quadra 185) e a Rua Marechal Floriano, no Cherogamy; alamedas João XXI, Dea Baltar e Ermelinda Morais, no Primavera, e Alameda Simão Bolívar, no Cristo Redentor.

Todas as secretarias municipais participam de forma ativa do projeto. Durante toda a execução, a iniciativa permite que os moradores tenham acesso a diferentes serviços disponibilizados pela Prefeitura Municipal nas áreas social, de saúde, educação, cultura e meio ambiente. “É um projeto de geração de renda e de resgate da auto-estima da população assistida”, conclui Beatriz.

Antônio Carlos – Subsecretaria de Comunicação Institucional