Prefeitura e parceiros querem fronteira livre de focos de doenças

Márcio Cruz


No córrego, mutirão de limpeza para eliminar focos de doenças

Uma fronteira livre de focos de doenças. É o que pretende a Prefeitura de Corumbá e um grupo de parceiros que, nesta terça-feira, realizaram uma grande ação na divisa entre Corumbá, no Brasil, e Arroyo Concepción, na Bolívia, com foco especialmente na dengue, raiva e leishmaniose, passando inclusive pela limpeza do córrego Arroyo Concepción, que divide os dois países.

Os trabalhos integram o projeto Fronteira Brasbol – parcerias no combate a endemias, desenvolvidos por um grupo formado por cerca de 80 pessoas, entre brasileiros e bolivianos. O início dos trabalhos contou com as presenças da secretária municipal de Ações Sociais, Antonieta Sabatel; secretário executivo de Saúde Pública, Lauther Serra; capitão Franz Valdiviezo, segundo comandante de Infantaria de Marina, da Bolívia; além de representantes do setor de saúde pública da Bolívia, do Exército Brasileiro, e demais parceiros.

O procurador da República, Carlos Humberto Prola Júnior, acompanhou o início dos trabalhos e considerou a iniciativa interessante. Solicitou inclusive o relatório final das atividades para avaliar a ação, cuja intenção da Prefeitura Municipal, é torná-la mais constante, conforme manifestação do secretário Lauther Serra, “para prevenir e combater doenças endêmicas que tanto afligem nossa região”.

Os trabalhos foram coordenados pela Secretaria Municipal de Ações Sociais, por meio da Secretaria Executiva de Saúde Pública. Segundo Antonieta Sabatel, a iniciativa visa “melhorar a qualidade de vida da população que reside na fronteira dos dois países”.

Para sucesso dos trabalhos, foi montada uma estrutura do lado brasileiro, no Posto Esdras, aproveitando já a sala da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, onde os parceiros disponibilizaram doses de vacinas diversas. Grace Bastos, chefe do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), explicou que a comunidade teve acesso a todas vacinas, entre elas febre amarela, hepatite B, tétano, paralisia infantil, entre outras.

Outras ações visaram o combate à raiva animal e leishmaniose, com vacinação anti-rábica, coleta de sangue dos cães e, em último caso, captura do animal. Paralelo, soldados brasileiros e bolivianos, auxiliados por técnicos em saúde, realizaram um grande mutirão de limpeza do córrego Arroyo Concepción, para retirada de depósitos inservíveis que possam servir de abrigo ou local de criação para o mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue; e de resíduos orgânicos, apropriados para abrigar o mosquito Flebótomo do gênero Leishmania, transmissor da leishmaniose.

Para o capitão Valdiviezo, esta é a primeira ação de uma série que poderá ser desencadeada na região de fronteira, “atingindo inclusive Puerto Quijarro e até Puerto Suarez”. Segundo o militar, o projeto foi fruto de inúmeras reuniões entre os organizadores, que permitiu “uma parceria inter-institucional, para um trabalho conjunto, visando melhorias para a saúde e meio ambiente. É o início de tudo. Queremos que este projeto ocorra mais vezes por ano”, observou.

Dia D

A ideia da Prefeitura de Corumbá é fazer com que o Ministério da Saúde reconheça a importância do projeto, para que ele faça parte do “calendário nacional, como um Dia D de combate a doenças endêmicas nas fronteiras”, explicou Grace, enquanto moradores de Arroyo Concepción atravessavam a fronteira para vacinação, ou mesmo conduzindo seus animais para que fossem imunizados contra a raiva.

A ação foi desenvolvida até às 15h e contou com parceiros como a Agência Nacional de Vigilância Sanitária, Exercito Brasileiro, Receita Federal, Polícia Federal, Consulado boliviano, Forças Armadas boliviana, técnicos em saúde e diretores da província de German Bush, Unipav, Agesa (Armazéns Gerais Alfandegados), além das empresas Andorinha e Concretão.

Antônio Carlos – Subsecretaria de Comunicação Institucional