Em Corumbá, produção rural é doada a entidades assistenciais

Um programa desenvolvido pela Prefeitura Municipal em parceria com o Governo Federal está beneficiando 300 pequenos produtores rurais de Corumbá e, ao mesmo tempo, garantindo alimentação mais saudável a pessoas atendidas por instituições assistenciais da cidade.

Um programa desenvolvido pela Prefeitura Municipal em parceria com o Governo Federal está beneficiando 300 pequenos produtores rurais de Corumbá e, ao mesmo tempo, garantindo alimentação mais saudável a pessoas atendidas por instituições assistenciais da cidade. A ação teve início na última semana por iniciativa do prefeito Ruiter Cunha de Oliveira (PT) e integra o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) na modalidade Compra Direta Local com Doação Simultânea, uma das ações do Fome Zero, conduzido pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome.

O programa está sendo desenvolvido pela Fundação Terra Pantanal em parceria com a Secretaria Executiva de Assistência Social, ligada à Secretaria Municipal de Ações Sociais. Juraci Aparecido Alves, gerente de Estudos e Projetos da fundação, explica que, a partir da adesão ao programa do Governo Federal, a prefeitura efetuou o cadastramento de 300 pequenos produtores rurais, que estão vendendo parte da produção diretamente ao município, para atender instituições assistenciais.

A primeira entrega ocorreu na semana passada, quando a Fundação Terra efetuou a compra de 650 quilos de mandioca do produtor Marcos Correia de Almeida, 37 anos, proprietário de um sítio no Urucum. Nesta terça-feira (24), ele retornou à central de compras e distribuição, montada pela prefeitura no prédio da Comissão Pastoral da Terra, localizado na Avenida General Rondon, entre as ruas Tiradentes e Ladário. Chegou com mais produtos de seu sítio, couve e rúcula.

"O programa está sendo muito bom para nós produtores, principalmente o preço que está sendo pago pela nossa produção", afirma Marcos Correia. Conforme ele, antes havia dificuldades em vender parte da produção. "Agora tem endereço certo e, além de melhorar a nossa situação, o alimento está sendo destinado a pessoas que necessitam", acrescenta.

Outro entre os 300 pequenos produtores rurais cadastrados pelo programa é Cícero Paulo da Silva, 69 anos, do Tamarineiro I. Na terça-feira, ele também entregou parte de sua produção na central de compras e distribuição. A carga, rúcula e coentro, foi conduzida pelo filho, Azemiro Rodrigues da Silvas, 22 anos. "Já atendíamos o comércio de Corumbá. Agora estamos também vendendo direto para a prefeitura e o dinheiro que entra ajuda a melhorar o nosso sítio, isto sem contar que estamos contribuindo para melhorar a alimentação de quem precisa", diz.

Preço de mercado

Uma das vantagens do programa é o valor pago pela produção, uma média dos preços praticados no comércio local. Após levantamento em três estabelecimentos, é feita uma média e o resultado é o valor do produto que está sendo entregue na central. Ao mesmo tempo, é firmado um compromisso com o próprio produtor, que não pode deixar de atender o comércio, sendo incentivado a continuar entregando parte do que planta aos supermercados, sacolões e feiras livres.

Juraci adiantou que o programa prevê a compra direta de cada produtor em até R$ 4,5 mil ao ano. "Apenas parte da sua produção é adquirida pela prefeitura, que faz a doação a instituições assistenciais, oferecendo alimentação mais saudável a crianças, adolescentes, idosos e pessoas necessitadas, assistidas por estas instituições", comenta, lembrando que a prefeitura entra com uma contrapartida.

São gêneros alimentícios variados: cebolinha, salsa, coentro, alface, rúcula, couve, cenoura, abobrinha, abóbora, moranga, tomate, mandioca, milho, tudo que é produzido pelo homem do campo está chegando à mesa das pessoas atendidas por instituições assistenciais. Ate o momento, cinco delas já estão cadastradas e recebendo as doações: Cidade Dom Bosco, Apae, Cripan, Asilo São José e Hospital de Corumbá.

Depois de receber 152 quilos de mandioca, Delair do Carmo Nunes Siqueira, coordenadora do projeto Criança e Adolescente Feliz (PCAF) da Cidade Dom Bosco, retornou nesta terça-feira à central. Desta vez, a prefeitura doou tomate, salsa, cebolinha, couve e abóbora. "A iniciativa é excelente, pois os produtos que estão sendo entregues fortalecem a alimentação das crianças atendidas pelo projeto", comenta.

Atualmente, são atendidos 280 crianças e adolescentes pelo projeto da Cidade Dom Bosco que oferece reforço escolar, oficinas recreativas e atividades esportivas a crianças carentes e em situação de risco. Todos recebem três refeições diárias: café da manhã, almoço e lanche à tarde. "Antes, comprávamos praticamente tudo. Recebíamos também doações, mas agora, com este programa, está mais seguro", comemora.