Reunião define ações de combate a endemias na área de fronteira

Uma reunião marcada para esta terça-feira (27) vai definir os últimos detalhes para a realização das ações de combate a doenças endêmicas na fronteira entre Corumbá, no Brasil, e Arroyo Concepción, na Bolívia. O encontro será às 9 horas, no Posto do Comanda da Armada Boliviana, em Puerto Quijarro e terá participação de representantes da Prefeitura de Corumbá, Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), além de outros parceiros.

A ação faz parte do projeto Fronteira Brasbol – Parcerias no combate a endemias, com foco na dengue, raiva e leishmaniose, sob coordenação da Secretaria Executiva de Saúde Pública, ligada à Secretaria Municipal de Ações Sociais, com apoio da Secretaria Executiva de Meio Ambiente. Durante o encontro, a gerente de Vigilância em Saúde da Prefeitura vai aproveitar para abordar o assunto relacionado à raiva animal. Na semana passada, mais um caso de raiva foi confirmado em Puerto Suarez.

A previsão é que o projeto seja desencadeado na primeira semana de agosto. A iniciativa está envolvendo grande número de parceiros, tais como a Prefeitura de Ladário, Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), 18ª Brigada de Infantaria, Consulado Boliviano, Inspetoria da Receita Federal, Polícia Federal, Comando do Exercito Boliviano da Província de German Bush. A iniciativa é apoiada pela Agesa (Armazéns Gerais Alfandegados), Unipav, Concretão e Andorinha Transporte e Cargas.

A estratégia foi acertada no início de julho e tem como meta melhorar a qualidade de vida da população corumbaense e dos municípios bolivianos da região de fronteira. O trabalho será desenvolvido de forma coletiva, por meio de ações educativas, manejo ambiental, vacinação anti-rábica, captura de cães, coleta de sangue para exame de leishmaniose, imunização da população contra febre amarela e outras, bem como a leitura de cartão internacional de vacina contra febre amarela destinado a moradores da fronteira e turistas.

Está previsto também um grande mutirão na fronteira entre os dois países, em especial no córrego de Arroyo Concepción, que divide as duas nações, para retirada de depósitos inservíveis que possam servir de abrigo ou local de criação para o mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue; e de resíduos orgânicos, apropriados para abrigar o mosquito Flebótomo do gênero Leishmania, transmissor da leishmaniose.

Antônio Carlos – Subsecretaria de Comunicação Institucional