Prefeitura intensifica atendimento aos moradores de rua

Marcos Boaventura

Na última sexta-feira, o secretário Haroldo Cavassa e duas equipes do CREAS percorreram as ruas da cidade buscando os moradores de rua

Desde de o início de julho, quando a meteorologia previa a chegada de uma forte frente fria a região pantaneira, a Prefeitura Municipal, por meio Secretaria Executiva de Assistência Social, reforçou o atendimento aos moradores de rua de Corumbá. Três vezes por semana (segundas, quartas e sextas-feiras), uma equipe do CREAS (Centro de Referencia Especializada em Assistência Social) percorre a cidade durante a noite oferecendo abrigo, agasalhos e alimento a esta parcela extremamente carente da população. Nas outras noites (terças e quintas-feiras), o plantão de atendimento é feito na sede do CREAS, localizado na rua 7 de Setembro, entre a Treze de Junho e a Dom Aquino.

“Buscamos retirar essas pessoas das ruas, principalmente nesta época, oferecendo condições dignas de dormir e de se alimentar. Mas é claro que tudo depende delas, nada é forçado. Se elas não quiserem ir para o albergue, infelizmente nada pode ser feito”, explicou o secretário executivo de Assistência Social, Haroldo Ribeiro Cavassa. Os que aceitam, são encaminhados para o Albergue da Fraternidade. Lá eles podem realizar sua higiene pessoal, se alimentar e dormir em um local quente e seguro.

Atualmente, o abrigo tem capacidade para dez homens e dez mulheres. Capacidade que deve aumentar em breve. O Município conseguiu a concessão, por 25 anos, do prédio onde funciona o albergue. O local deve agora passar por uma reforma e ser integrado a uma ampla rede de atendimento. “O Município está montando uma equipe especializada para atender a este público. O objetivo é fazer com que estas pessoas tenham um novo projeto de vida”, afirmou Adelma Galeano, gerente de Políticas Sociais da Prefeitura.

Este trabalho de campo começou em setembro de 2009 e foi reforçado nesta época de inverno. “É um trabalho que exige uma grande sensibilidade, pois os moradores são desconfiados, há o mito de que eles serão levados para outras cidades e adquirir a confiança dessas pessoas, que passam por diversas situações de risco diariamente é muito complicado, mas que com muita insistência e paciência conseguimos pouco a pouco”, disse a assistente social Kelma Delgado.

“O grande problema é ajudar a quem não é da cidade. Muitas vezes eles possuem a vontade de retorno para a terra natal e pela cidade dele não ter esse tipo de Assistência, complica a situação”, continuou Kelma. Além de oferecer abrigo aos moradores de rua, o CREAS ainda busca a inclusão deles em programa de políticas sociais, que os possibilitam ter acesso a diversos benefícios governamentais, possibilitando uma reinserção na sociedade.

Rodrigo Nascimento – Subsecretaria de Comunicação Institucional