Corumbá conclama ‘pressão social’ contra a hipertensão arterial

Gilson de Carvalho
 

A campanha busca reduzir os índices de pessoas acometidas pela doença, além de aproveitar para identificar grupos de risco

A Prefeitura de Corumbá programou, para esta segunda-feira (26), uma ação que conclama a participação de toda a comunidade para marcar o Dia Nacional de Combate à Hipertensão Arterial. Será uma espécie de ‘pressão social’ contra a doença, campanha desenvolvida pela Secretaria Executiva de Saúde Pública em todas as Unidades Básicas de Saúde, que estará disponibilizando equipes para aferição da pressão arterial e orientações sobre como tratar e prevenir esta doença. A ação tem como público alvo todos os cidadãos corumbaenses, e os trabalhos ocorrem entre 7h30 e 12 horas.

A ação faz parte da Campanha de Combate à Hipertensão Arterial 2010, que integra as estratégias propostas no Plano de Reorganização à Hipertensão Arterial e Diabetes Mellitus, em atenção especial aos portadores da doença que integram a rede básica do Sistema Único de Saúde (SUS), mediante a ampliação da Atenção Básica. A ênfase da iniciativa está na prevenção primária, no sentido de diagnosticar precocemente e estabelecer a vinculação dos portadores de hipertensão arterial existentes em Corumbá.

A campanha busca reduzir os índices de pessoas acometidas pela hipertensão, além de aproveitar a oportunidade para identificar grupos de risco, com detecção de casos suspeitos na comunidade atendida, por meio da acessibilidade à verificação da pressão arterial; elevar o conhecimento sobre a distribuição da hipertensão arterial na cidade; auxiliar a Secretaria de Saúde no cadastramento e na vinculação dos portadores de hipertensão arterial para tratamento na Rede de Atenção Básica de Saúde; e oferecer contribuição à comunidade atendida com informações para a melhoria do acesso a referenciais especializados.

Por meio da campanha, a prefeitura pretende levantar o número de hipertensos existentes hoje na cidade. Segundo dados fornecidos pelo Ministério da Saúde, por meio do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a região tem hoje 9.587 pacientes. Além disso, outra meta é buscar a redução dos indicadores de Acidente Vascular Ancefálico (AVC), cuja taxa de internação em 2009 foi de 12,07, e que constitui uma das principais complicações ocasionadas pela desestabilização da doença. O objetivo é diminuir a taxa para 11,2 em 2010.

Antônio Carlos – Subsecretaria de Comunicação Institucional