Corumbá começa a celebrar Jubileu de Ouro da Cidade Dom Bosco

Assessoria PMC
 

Com poesia, homenagens e agradecimentos ao seu fundador, maior obra social da região pantaneira inicia comemorações dos 50 anos

A alegria das centenas de crianças e adolescentes uniformizados que ocupavam as arquibancadas do Ginásio Dom Bosco, já às 8 horas desta sexta-feira (16), refletia o espírito que dominaria a manhã em que seriam lançados os festejos do Jubileu de Ouro da Cidade Dom Bosco em Corumbá. E quando o responsável pela obra, o padre Ernesto Sassida, adentra o ambiente, acompanhado do prefeito Ruiter Cunha de Oliveira (PT) e de outras autoridades políticas, o som de tantas vozes do presente ecoa como a fazer convergir para um único momento toda a intensidade desses quase 50 anos de história da maior obra social da região pantaneira.

E ninguém melhor do que o próprio fundador, cuja semente foi plantada em abril de 1961, para contar a razão que o motivou a idealizar e empreender uma “experiência com características únicas no mundo”, capaz de unir educação, profissionalização, caridade, “palavra de Deus e amor”: a convivência entre os pobres de Corumbá, ilustrada pela histórica viagem, de casa em casa, desde a região do Urucum até o porto da cidade, há mais de 50 anos. “Em cada casa em que eu entrava, as pessoas diziam: ‘padre, fique conosco’. Aquela expressão de necessidade de amor, carinho e atenção foi a origem do sonho e do projeto que resultaram no que hoje estamos aqui para celebrar”, disse.

Como definiu em seguida o diretor da Missão Salesiana Mato Grosso e Mato Grosso do Sul – Cidade Dom Bosco, padre Osvaldo Scotti, a instituição conduzida até 1988 pelo padre Ernesto e, desde então pela Comunidade Salesiana, é acima de tudo uma “história de amor” pelos mais pobres, pelas crianças e jovens, pela educação e cidadania. “Esta iniciativa permite aos jovens o direito de sonhar, e de acreditar que qualquer sonho pode se tornar realidade por meio da educação”, salientou. Em complemento, o deputado estadual Paulo Duarte (PT), um dos cerca de 20 mil ex-alunos da instituição, resumiu: “O que falta no mundo sobra na Cidade Dom Bosco, que é a solidariedade”.

“Sempre digo que, em toda homenagem ao padre Ernesto ou à Cidade Dom Bosco, quem ganha o presente e tem que agradecer é a população corumbaense”, frisou o prefeito Ruiter. Nomeando a obra social de “monumento ao amor”, ele destacou que o padre “lançou a semente”, mas a sociedade local tem o dever de continuá-la. “Cada um de nós, Poder Público e cidadão comum, tem a responsabilidade de fazer obras de bem, seguinte este exemplo em busca de uma sociedade mais humana e com menos desigualdade social”, completou, reforçando que, maior do que a satisfação de parabenizar o padre é o dever de agradecê-lo pelo que a instituição representa para a comunidade.

A abertura das celebrações do Jubileu de Ouro foi marcada também por homenagens e apresentações musicais de iniciativas que integram a obra social e educacional. Entre elas, a homenagem à Legião Matogrossense dos Amigos da Criança (LEMAC), representada pela aluna Bianca de Campos Cunha; a premiação aos alunos Nilton Franco e Keitilin Karine, vencedores do Soletrando, do Projeto Criança e Adolescente Feliz; e o lançamento da edição 2010 do Projeto À Procura dos Pequenos Heróis. Por fim, a assinatura, pelo padre Osvaldo Scotti e o prefeito Ruiter, do termo de doação de um terreno da instituição à Prefeitura de Corumbá para a construção de um posto de saúde.

Gesiel Rocha – Subsecretaria de Comunicação Institucional