Projeto de ‘geração de renda com lixo’ começa no Porto da Manga

O primeiro passo do projeto Educação Ambiental como Ferramenta na Gestão do Ecoturismo na Estrada Parque foi dado no último dia 23, na comunidade Porto da Manga, a 110 quilômetros de Corumbá, na região da Nhecolândia do Pantanal sul-mato-grossense.

O primeiro passo do projeto Educação Ambiental como Ferramenta na Gestão do Ecoturismo na Estrada Parque foi dado no último dia 23, na comunidade Porto da Manga, a 110 quilômetros de Corumbá, na região da Nhecolândia do Pantanal sul-mato-grossense. A iniciativa é desenvolvida pela Prefeitura Municipal, por meio da Secretaria Executiva de Meio Ambiente e parceiros. Na ocasião, técnicos da área ambiental foram à localidade para realizar um diagnóstico do lixo gerado na região, como primeira etapa da ação que visa organizar as comunidades em associações para a produção de alimentos orgânicos por meio da agricultura ecológica de subsistência (agroecologia).

O grupo contou com a bióloga Fátima Seher, o engenheiro ambiental Felipe Nigro e o agrônomo Sérgio Horita, da Fundação Terra Pantanal, além do apoio do representante da Ong Ecoa, Jean Fernandes. O projeto tem a parceria da Fundação de Cultura e Turismo do Pantanal e da Secretaria Executiva de Educação, e faz parte do Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos na Zona Rural, idealizado pela secretária executiva de Meio Ambiente, Luciene Deová. Dessa forma, visa solucionar um dos problemas mais destacados pelos moradores das comunidades Passo do Lontra e Porto da Manga, que é a dificuldade de dar destino correto aos resíduos sólidos (lixo doméstico).

A iniciativa prevê a utilização da compostagem para a criação de hortas comunitárias, técnica aplicada para controlar a decomposição de materiais orgânicos – resíduos sólidos – que resulta em um material estável e rico em húmus e nutrientes minerais. O produto obtido é melhor dos que adubos e fertilizantes convencionais e ecologicamente correto. "O projeto busca solucionar o problema da destinação inadequada dos resíduos sólidos lá gerados. Além disso, pretende propiciar o desenvolvimento sustentável na região, buscando a melhoria da qualidade de vida dos ribeirinhos e a valorização do ecoturismo por meio da preservação ambiental", explicou Fátima.