Secretaria de Saúde confirma morte por dengue hemorrágica

A Secretaria Executiva da Saúde Pública confirmou nesta sexta-feira (26) que a causa do óbito do homem de 39 anos, morador da zona rural de Corumbá, foi dengue com complicação (dengue hemorrágica/falência múltipla dos órgãos). O resultado do exame sorológico realizado pelo laboratório do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) foi confirmado pela contraprova enviada ao Laboratório de Análise Central de Campo Grande. O trabalhador rural faleceu no dia 22 de fevereiro, cinco depois de ser internado no Pronto Socorro da cidade.

De acordo com a gerente de Vigilância em Saúde do Município, Viviane Ametlla, um estudo entomológico foi realizado na zona rural, onde não foi detectada a presença do mosquito Aedes aegypti, transmissor da doença. “Com a confirmação deste caso, uma nova pesquisa será feita especificamente na região onde ele habitava”, explicou. Os trabalhos serão iniciados na próxima semana.

O gerente de Atenção em Saúde, Emerson Ferreira Moreira, lembrou que a dengue é uma doença tipicamente urbana, já que o mosquito possui um número maior de predadores em ambientes rurais. “Por isso reiteramos que, aos primeiros sintomas, o paciente deve procurar atendimento médico”, disse. Este é o primeiro óbito por dengue hemorrágica registrado em Corumbá nos últimos oito anos.

Apesar da fatalidade, o número de notificações registrado em 2010 é menor que o mesmo período do ano passado. Isso porque a Secretaria Executiva de Saúde vem desenvolvendo todas as ações possíveis de prevenção e combate à dengue. Mas paralelo ao trabalho do Município, o sucesso na luta contra a proliferação do mosquito Aedes aegypti passa diretamente pelo envolvimento e comprometimento da comunidade local, eliminando reservatórios de água parada.


Além disso, continua sendo realizada a mega-ação lançada pela prefeitura em janeiro deste ano – com quase 500 profissionais de diversas áreas, que devem visitar cerca de 50 mil residências em todo o município. A operação conta com 110 agentes de endemias; 152 agentes comunitários de Saúde; 50 militares da Marinha do Brasil; 40 soldados do Exercito Brasileiro; 30 alunos do Projovem Trabalhador; 30 profissionais do Prevfogo; 15 integrantes do Projeto Se Essa Rua Fosse Minha; e 50 servidores da Secretaria Executiva de Infraestrutura e Serviços Urbanos e da Unipav (limpeza pública).

Rodrigo Nascimento – Subsecretaria de Comunicação Institucional