Perfumando a avenida, Império fecha desfile do grupo principal

Gilson de Carvalho
 

A “Verde e Rosa” entrou na avenida com 1,2 mil componentes, 20 deles na ala das baianas, que representou o Jardim Imperial

“Meu olfato indica que a Império vai passar. Sinto um cheiro de perfume pelo ar”. Com este enredo, o Grêmio Recreativo e Escola de Samba Império do Morro defendeu o título de campeã do mais animado carnaval de todo o Centro-Oeste brasileiro. A agremiação foi a última a se apresentar na passarela do samba, já nas primeiras horas da madrugada desta terça-feira (16).

A “Verde e Rosa” entrou na Avenida General Rondon com cerca de 1,2 mil componentes, 20 deles na ala das baianas, que representou o Jardim Imperial. Ao todo a escola trouxe 12 alas e nove alegorias. Tendo sido 28 vezes campeã do Carnaval, a Império busca o tricampeonato contando a história do perfume, desde os primeiros registros históricos, datados por volta de 3 mil anos antes de Cristo.

A comissão de frente, formada nove integrantes, entrou com uma mini-alegoria representando as pirâmides do Egito e três deuses adorados pelos egípcios. No carro abre-alas a tradicional coroa, símbolo da Império, enfeitada com muitas flores. Outro destaque foi a segunda alegoria, que representou o nascimento da deusa Afrodite. A deusa grega, cujo nome quer dizer “nascida da espuma”, representa, segundo a mitologia, o amor e a flagrância.

A Império do Morro foi fundada em 15 de maio de 1958, no bairro da Cervejaria, pelo casal José Duarte, o popular Cháana, e Venância Duarte, ambos já falecidos. O atual presidente é Roberto Soares de Freitas. Aleksander Batista, o Alex, foi o carnavalesco e Jorginho e Irinéia o primeiro casal de mestre-sala e porta bandeira.

Rodrigo Nascimento – Subsecretaria de Comunicação Institucional