Projeto Identifique-se começa ser discutido em Corumbá

 Clóvis Neto

  

 Projeto foi apresentado durante encontro na Casa da Cidadania

Identifique-se, projeto estadual idealizado pelo Grupo MESCLA-MS (Movimento de Estudo e Sexualidade, Cultura, Liberdade e Ativismo de MS) será implantado em Corumbá, uma das três cidades pólos do Mato Grosso do Sul, visando a construção de política públicas que garantam melhor atendimento e maior atuação em defesa dos direitos humanos e da cidadania. O assunto foi discutido na tarde de hoje na Subsecretaria de Ações da Cidadania, com as participações de representantes do movimento e de pessoas ligadas às Prefeituras de Corumbá e Ladário, bem como de outros segmentos representativos da região.

O encontro foi a sequência de um trabalho iniciado em dezembro de 2009, que culminou com a confirmação de uma oficina nos dias 5 e 6 de março, para formação de pessoas que possam assumir o papel de liderança, para atuarem em defesa da população de lésbicas, gays, bisexuais, travestis e transexuais (LGBT). O curso de formação será incluído na programação da Semana da Mulher, cujo Dia Internacional é comemorado em 8 de março.

“Foi um encontro de coordenadores do MESCLA com pessoas que atuam na área de atendimento e defesa de direitos humanos e cidadania, justamente para tratar da implantação do Projeto Identifique-se em Corumbá. O primeiro passo será esta formação que acontecerá em março”, argumentou Cristiane Sant´Anna de Oliveira, gerente de Articulação das Políticas Públicas da Mulher.

Durante a reunião na Casa da Cidadania, os coordenadores do MESCLA, Vagner Campos e Nathalia Ziolkowski fizeram a apresentação do Movimento criado em março de 2009, e que já assegurou a realização do Projeto Identifique-se, em parceria com o Governo Federal. Os recursos são oriundos do Fundo Brasil dos Direitos Humanos.

Segundo Vagner Campos, o objetivo do MESCLA-MS não é apenas garantir os direitos da população LGBT, mas também “dos negros, das mulheres, enfim, de todos os setores da sociedade que sofrem preconceitos. A luta é de todos. Precisamos unificar para ampliar as ações”, afirma.

Para ele, este contato em Corumbá foi importante. “Tivemos participação de pessoas ligadas ao Poder Público. Isto é muito bom para a criação de políticas públicas que atendam não só os LGBTs, mas outras camadas da população”, observou, para em seguida lembrar a realização da 1ª Conferência Nacional LGBT com a presença do presidente Lula que “mostrou ser possível dialogar com todos os segmentos. Corumbá está saindo na frente. Abriu espaços para dialogar”, destacou.

A entidade, com sede em Campo Grande, surgiu para promover e defender direitos humanos, combater a discriminação e o preconceito, em ações de formação política, educação para os direitos humanos e atenção a população LGBT, alvo permanente de violência e exclusão.

Antônio Carlos – Subsecretaria de Comunicação Social