Infectologista elogia mega-operação contra dengue em Corumbá

 Clóvis Neto
  

“A prefeitura mostra uma visão ampliada ao entender que impedir uma epidemia não depende só da Secretaria de Saúde”, disse Rivaldo

O infectologista Rivaldo Venâncio da Cunha, doutor em Medicina Tropical e integrante do comitê de assessoria do Ministério da Saúde para dengue e febre amarela, elogiou o trabalho da Prefeitura de Corumbá nas ações de prevenção e combate à dengue. Ele participou do lançamento da campanha na manhã desta quarta-feira (6), no Centro de Convenções do Pantanal Miguel Gómez e, ao fazer um balanço sobre a doença, afirmou que, com esta mega-ação, a cidade está dando um passo decisivo para evitar uma nova epidemia.

“É fundamental esta articulação entre a Prefeitura com os demais segmentos da sociedade corumbaense. Nesse sentido, Corumbá está de parabéns por ter tomado a iniciativa em tempo hábil, para unir, dentro do próprio Poder Executivo, todas as secretarias envolvidas direta ou indiretamente no combate aos focos de criação do mosquito Aedes aegypti”, comentou o infectologista.

Segundo Rivaldo, dessa forma, a prefeitura mostra uma visão mais ampliada, entendendo que a possibilidade de impedir uma epidemia de dengue não está única e exclusivamente sob a responsabilidade da Secretaria de Saúde. “Dentro do Poder Executivo é necessário que todas as demais secretarias estejam envolvidas, que dêem a sua contribuição”, observou.

O infectologista também parabenizou a iniciativa da prefeitura de envolver outros segmentos da sociedade, citando o Poder Legislativo, presente no lançamento da ação (vereadores Carlos Alberto Machado, João Bosco da Silva e Souza e Marcelo Iunes). Ele lembrou a presença de representantes do Poder Judiciário, das Forças Armadas, além de diversos outros parceiros. “A Prefeitura conseguiu unir a si mesma, com todos seus segmentos diretamente, agregou os outros poderes e mais a sociedade civil organizada, como empresas privadas de grande porte, que podem dar uma contribuição incalculável”, disse.

Rivaldo destacou ainda a empresa Votorantim, que assumiu a responsabilidade de incinerar os pneus coletados. “Isto resolve um problema imediato para que não ocorra o que ocorreu em Campo Grande, onde os pneus coletados e armazenados estavam se transformando em foco do mosquito. A ajuda da Votorantim será fundamental para que Corumbá não sofra o mesmo que está ocorrendo na Capital”, enfatizou.

O infectologista cobrou, porém, a participação de toda a população corumbaense. “São medidas simples que cada cidadão pode cumprir”, disse, lembrando que se deve manter quintais limpos, buscando sempre observar se há foco de procriação do mosquito, se há terreno baldio que não está sendo devidamente limpo, e notificar ao órgão público responsável.

Por fim, ele destacou que a situação atual em Corumbá não é preocupante, mas que a cidade precisa estar sempre em alerta, e afirmou que a maior preocupação está em Campo Grande, “que vive uma franca epidemia, com cerca de 1,5 mil casos notificados em dezembro”. Conforme ele, os centros de saúde da Capital já estão sobrecarregados de pessoas com suspeita de dengue. “Aquidauana, Dourados e Ponta Porã são outras cidades que também preocupam”, finalizou.

Vitória

O secretário de Ações Sociais, Lamartine de Figueiredo Costa, informou que a ação desencadeada pela prefeitura e parceiros será de extrema importância para vencer uma doença que afeta toda a região. Ele chamou a atenção para a epidemia de 2009 e comemorou o fato de a cidade não ter registrado óbito, “o que foi uma vitória, graças ao trabalho desenvolvido na ocasião”.

Lamartine disse que, atualmente, tudo está sendo feito para evitar nova epidemia. “Temos apoio do nosso prefeito, que não mede esforços em investir na saúde pública, e de parceiros valiosos que estão junto conosco nesta ação, desenvolvendo um trabalho conjunto”, destacou. Ele se mostrou preocupado, no entanto, com a Bolívia e Ladário, regiões vizinhas que também devem ser beneficiadas, e cobrou participação da população, acreditando ser esta a única maneira de “ver Corumbá livre da dengue”.

O contra-almirante Edlander Santos, comandante do 6º Distrito Naval da Marinha do Brasil e parceiro de Corumbá no assunto, afirmou que a instituição não poderia ficar alheia ao problema. “(A Marinha) deve estar sempre presente em ações importantes como esta, mesmo porque vivemos na região, participamos da vida da comunidade corumbaense e ladarense”, enfatizou, salientando que, sempre quando preciso, a Marinha estará presente nas ações em prol da população pantaneira.

Antônio Carlos – Subsecretaria de Comunicação Institucional