Religiões de Corumbá unem-se em nome de um 2010 ainda melhor

  Marcos Boaventura
  

O prefeito Ruiter participou da missa e destacou a união das religiões

Incluída no calendário de eventos culturais e turísticos, a Lavagem da Escadaria da Igreja Matriz de Nossa Senhora da Candelária marcou a noite desta quarta-feira, 30 de dezembro, em Corumbá. O ato, que une religiões, ocorreu logo após a missa solene na Matriz, que levou o padre Celso Ricardo da Silva a enaltecer a realização, afirmando ser aquele, “um momento de muita alegria” e que representa a “purificação da escadaria por onde passa o povo de Deus”. O evento é uma realização da Prefeitura Municipal e faz parte das festividades de final de ano na cidade, que prossegue nesta quinta-feira, 31, com o Ritmos do Atabaque e Louvação a Iemanjá, no Porto Geral, às margens do rio Paraguai, e um show pirotécnico, saundando 2010, no alto do morro São Felipe.

Durante a Homilia da missa solene, padre Celso destacou que o ato, mais uma vez, mostrou maturidade do povo corumbaense, e que representa a união das mais diferentes religiões que, na cidade, buscam viver “mais a paz e o amor”. Conforme ele, a missa, seguida da Lavagem da Escadaria da Matriz e da Louvação a Iemanjá, não representa uma mistura de religiões. “Estamos sim, dando exemplos, mostrando que católicos e representantes da Umbanda e do Candomblé, podem rezar juntos, estarem juntos na Casa de Deus”.

Definiu todo o ato como uma “grande liturgia” e que não pensou duas vezes quando foi procurado para abrir as portas da igreja, oito anos atrás, para que o ritual fosse realizado pela primeira vez. “Hoje, graças ao nosso prefeito Ruiter Cunha, já faz parte do calendário de Corumbá, uma cidade conhecida mundialmente pelas suas coisas bonitas, e que tem crescido muito nos últimos anos, e que deve crescer mais”, ressaltou.

Presente ao evento, o prefeito Ruiter Cunha de Oliveira, enalteceu o evento, destacando-o como uma grande manifestação cultural, “um encontro de religiões, que mostra a crença das pessoas, manifestando dentro de cada religião, o desejo de um 2010 promissor”.

O prefeito assistiu à missa e a Lavagem da Escadaria e, acompanhado da secretária Beatriz Cavassa de Oliveira, de Integração das Políticas Sociais, prestigiou o ato às margens do rio Paraguai, onde representantes das tendas de Umbanda e Candomblé, realizaram cultos em louvor a Iemanjá, Rainha das Águas. Conforme ele, todo o ato, desde a missa, mostra que cada religião está resgatando suas crenças. “Corumbá tem uma vocação muito forte, é um berço que germina, aflora cultura”, observou.

Lavagem

O ato de Lavagem da Escadaria da Matriz foi comandando por representantes de seis tendas da cidade. Cinquenta litros de água de cheiro foram utilizados para purificar a escadaria. Para o pai de santo Clemilson Medina, a “cerimônia é muito importante e mostra para toda a sociedade que Deus é único e onipotente, independente de religião”. Depois da missa e da lavagem, os presentes ao ato acompanharam a pé, pela ladeira Cunha e Cruz, o cortejo até a prainha do Porto-Geral, para a Louvação a Iemanjá, onde o candomblé se junta a umbanda e quimbanda para render homenagens à Rainha das Águas lançando oferendas no rio Paraguai ao som de atabaques e cânticos em Iorubá – idioma africano.

A tradição de lavar as escadarias das igrejas surgiu em Salvador. Na Bahia, a Lavagem do Bonfim é considerada a segunda maior manifestação popular e a principal festa religiosa. Em 1754, quando a imagem do Senhor Crucificado foi transferida da Igreja da Penha, em Itapagipe, para a sua própria igreja, na Colina Sagrada, as escravas queriam assistir à missa e lavar a igreja com ervas de cheiro (como alecrim, alfazema e manjericão e flores), mas foram impedidas. Depois de terem as portas da igreja fechadas, ao descer as escadas o orixá de um Pai de Santo quebrou o vaso que continha água de cheiro na escadaria, nascendo assim a tradição que é mantida também em Corumbá.

Hoje, quinta-feira, a programação festiva prevê, além da Louvação a Iemanjá, o Ritmos do Atabaque, no Porto Geral. A festa começa às 19h. O evento é em homenagem ao Povo D’Água, e representa mais uma forma da Prefeitura de Corumbá apoiar a manutenção das tradições culturais, entre as quais as religiões de matrizes africanas. É também uma oportunidade para a sociedade corumbaense e turistas conhecerem um pouco mais das manifestações religiosas de culto africano.

Antônio Carlos – Subsecretaria de Comunicação Institucional