Prefeitura e Votorantim vão atuar juntas no combate à dengue

A Prefeitura estabeleceu uma parceria esta semana com o Grupo Votorantim para desenvolvimento de ações de combate à dengue na região de Corumbá. A exemplo do que ocorreu em anos anteriores, o Poder Executivo utilizará os fornos da Cimento Itaú, para destinação ecologicamente correta de pneus, considerados focos em potencial para proliferação do mosquito Aedes aegypti, transmissor da doença, através do co-processamento, técnica usada para destruir resíduos industriais de maneira responsável e definitiva.

A parceria foi estabelecida durante reunião de técnicos das secretarias executivas de Saúde Pública e de Meio Ambiente, com o gerente da Itaú, Marco Antônio Monteiro de Souza. Segundo Viviane Ametlla, gerente de Vigilância em Saúde, a empresa vai capacitar seis servidores da Prefeitura, que serão os responsáveis direto pela incineração dos pneus.

Viviane lembra que, no início da primeira gestão do prefeito Ruiter Cunha de Oliveira, trabalho semelhante foi desenvolvido, o que permitiu a incineração de 68 toneladas de pneus sem condições de uso, que anteriormente eram jogados em terrenos baldios ou no lixão de Corumbá.

Agora, nova parceria foi estabelecida e o trabalho será desenvolvido pelas duas secretarias, em conjunto com a empresa. Além de evitar impactos ambientais, a queima do material evita a proliferação de vetores que transmitem doenças. Viviane explica que a concentração de pneus em áreas impróprias, em contato com a água, cria ambiente adequado para o surgimento de focos do mosquito Aedes aegypti.

“Temos hoje cerca de 10 mil pneus em um depósito implantado pela Prefeitura e no Centro de Controle de Zoonoses. Não há mais espaço e precisamos dar destinação final a este material. Esta parceria com a Votorantin será fundamental e vai contribuir em muito para eliminação de focos do mosquito”, explicou a gerente.

Durante a primeira gestão do prefeito Ruiter, este projeto desenvolvido em parceria com a Votorantim, serviu como exemplo para a Prefeitura de Coxim, que se espelhou nos programas de combate à dengue desenvolvidos em Corumbá, principalmente relacionado à coleta e destinação final de pneus, um grande problema na época da cidade localizada ao norte de Mato Grosso do Sul.

Decomposição

O pneu leva mais de 50 anos para se decompor na natureza, pois não é biodegradável. Ele pode ser eliminado de duas maneiras: por meio de picotagem, quando é usado como matéria-prima nas indústrias de cimento e asfalto, ou através da queima – mediante o uso de um filtro especial por causa da fumaça. Estudos indicam que existem quase seis milhões de pneus usados no Brasil, uma ameaça ao meio ambiente e à saúde pública. O CCZ já realizava esta coleta de pneus em toda a cidade, como parte do controle de endemias.

A secretária executiva de Meio Ambiente, Luciene Deová, explica que a Cimento Itaú tem autorização do Ministério do Meio Ambiente para queimar este tipo de material. Possui filtros que evitam que a fumaça tóxica polua o meio ambiente.

Antônio Carlos – Subsecretaria de Comunicação Institucional