Corumbá já é referência em ações de combate à raiva animal

As ações de combate à raiva animal desenvolvidas pela Prefeitura de Corumbá na região de fronteira com a Bolívia, servirão como referência ao Projeto CTP “Eliminação da Raiva Humana transmitida pelo Animal na Argentina, Bolívia, Brasil e Peru” 2010 – 2012, estabelecido durante reunião realizada em dezembro, em La Paz, na Bolívia. O encontro foi realizado pela Organização Pan-Americana da Saúde / Organização Mundial de Saúde (OPAS-OMS/Brasil), e, na oportunidade, o trabalho realizado pela Secretaria Executiva de Saúde Pública corumbaense, foi exposto pela médica veterinária Viviane Ametlla, gerente de Vigilância e Saúde.

“Fizemos a apresentação das ações de prevenção e combate à raiva animal desenvolvidas pela Saúde Pública na região de fronteira com a Bolívia e este nosso trabalho servirá de referência para outras zonas de fronteiras”, explicou Viviane. Ele lembra que, desde 2007, a partir de um pacto firmado pelo prefeito Ruiter Cunha de Oliveira com as autoridades bolivianas de Puerto Quijarro e Puerto Suarez, o setor de saúde de Corumbá passou a desenvolver ações mais diretas nas duas cidades bolivianas, de combate não só à raiva, mas também a outras endemias.

Viviane explicou que, no encontro, ficou estabelecido a implementação desse projeto para ser desenvolvido no período de 2010 – 2012, “a partir da experiência que nós desencadeamos em Corumbá e Quijarro, especificamente”. Ressaltou ainda que, entre as ações, estão a criação e implementação de centros municipais de zoonoses nas cidades de fronteira dos quatro países; garantia de doses de vacinas contra raiva animal e raiva humana, por meio dos ministérios de saúde, entre outras questões.

Os centros de zoonoses, conforme Viviane, serão importantes e trabalharão de forma conjunta, desde campanhas de vacinação, até coleta de material encefálico dos animais para posterior análise. Ela lembra que, hoje, todo material é enviado para análise na Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal (Iagro), em Campo Grande, algo que, antes, as autoridades bolivianas não consideravam o resultado como válido, por ser um laboratório internacional.

“Agora, com o termo, espera-se um acordo de trabalho em rede de laboratório para diagnóstico e vigilância da raiva em zonas de fronteiras, baseados na experiência de Corumbá”, observou, lembrando que, na cidade, o setor de saúde pública presta total assistência aos pacientes bolivianos agredidos por animais, por meio de tratamento profilático humano.

Todo o trabalho será acompanhado de perto pelas autoridades do setor de saúde dos quatro países que participaram da aprovação do Termo de Cooperação Técnica visando o controle da raiva nas fronteiras. Ficou acordado também, reuniões trimestrais e, a primeira, será em Corumbá, em abril de 2010.

Antônio Carlos – Subsecretaria de Comunicação Institucional