Prefeitura cobra Sanesul sobre recuperação de pavimento

  Marcos Boaventura
  

A fiscalização está sendo intensificada devido à qualidade do material utilizado onde são executadas as obras de rede água e de esgoto

A Prefeitura de Corumbá está intensificando a fiscalização sobre as obras de saneamento básico (água e esgoto) realizadas pela Empresa de Saneamento de Mato Grosso do Sul (Sanesul), e prometeu tomar as medidas cabíveis para que a recuperação do pavimento seja feita de forma adequada e com qualidade. Conforme informou, nesta segunda-feira (30), o secretário executivo de Infraestrutura e Serviços Públicos, Ricardo Ametlla, a empresa deverá ser notificada a respeito.

De acordo com o secretário, a fiscalização está sendo intensificada nos últimos dias, principalmente, devido à qualidade do material utilizado pela empresa estadual na recuperação do pavimento onde são executadas as obras de rede de abastecimento de água e de esgoto. “Temos um fiscal acompanhando todos os trabalhos e, se a restauração não for adequada, a empresa será notificada, e podemos até mesmo solicitar a interditar as obras”, comentou.

Ametlla explicou que a ocorrência de buracos deixados pelas ruas da cidade é muito grande, principalmente nas vias com pavimento asfáltico e de lajotas. Além disso, ele destaca que, como as obras não estariam sendo devidamente identificadas como de responsabilidade da Sanesul, podem passar a impressão para a população de que “a culpa é da prefeitura”. Ele lembrou que o assunto já foi amplamente discutido com a direção da empresa em Corumbá e em Campo Grande, “mas as irregularidades continuam sendo cometidas, provocando reclamações constantes da população”.

Ainda conforme o secretário executivo, a recuperação do pavimento faz parte dos projetos que a empresa de saneamento está executando na cidade, com recursos assegurados. “Mesmo assim, ainda há falhas nos serviços de restauração das vias onde ocorrem as intervenções, o que está motivando a prefeitura e notificar a Sanesul, para que cumpra as normas estabelecidas”, completou.

Questionado a respeito, o prefeito Ruiter Cunha de Oliveira (PT) afirmou que, se as irregularidades persistirem, não hesitará em tomar medidas drásticas contra o comportamento da empresa, com base nas cláusulas do contrato de concessão. Conforme ele, não só as obras podem ser interditadas, mas também o próprio contrato de concessão pode ser suspenso. “Não podemos permitir que a população seja penalizada com buracos nas ruas, devido a um serviço sem qualidade”, resumiu.

Antônio Carlos – Subsecretaria de Comunicação Institucional