Oficina de Dança comemora 10 anos com “show” para casa cheia

  Clóvis Neto
  

“(A Oficina de Dança é) um projeto que tem, acima de tudo, a função de fazer a inclusão social por meio da arte”, destacou o prefeito Ruiter

Em comemoração aos 10 anos da Oficina de Dança do Pantanal de Corumbá, o espetáculo “Livres”, apresentado na noite deste domingo (29), deixou completamente lotado o auditório do Anfiteatro Salomão Baruki. Durante quase duas horas de espetáculos, 252 pessoas, entre jovens e adultos, apresentaram 13 coreografias montadas ao longo de todo o ano. Acompanhado da primeira-dama e secretária especial de Integração das Políticas Sociais, Beatriz Cavassa de Oliveira, o prefeito Ruiter Cunha de Oliveira (PT) prestigiou o evento.

“Esta (apresentação) foi toda especial, comemorando os 10 anos da Oficina de Dança com muito brilhantismo. Um projeto que tem, acima de tudo, a função de fazer a inclusão social por meio da arte. Hoje vimos o resultado de todo um ano de trabalho”, afirmou o chefe do Executivo. “Os jovens fizeram um belíssimo trabalho, assim como as mães e familiares que também participaram da preparação”, continuou.

Ruiter também parabenizou o coreógrafo Joilson Silva da Cruz, coordenador da Oficina e diretor geral da apresentação. “Ele está à frente deste trabalho já há 10 anos e sempre vem se superando e apresentando um lindo espetáculo para a população. Ficamos felizes em poder apoiar e vivenciar este momento”, acrescentou.

Bailarina de formação, a primeira-dama destacou a função social da Oficina entre o público jovem. “Ela proporciona a inclusão de várias crianças e jovens, inclusive de muitas mães que fazem parte de um grupo de dança. Este projeto é maravilhoso”, definiu, completando: “Foi uma belíssima apresentação, pela qual todos estão de parabéns. Os alunos, os professores, todas as pessoas que colaboraram para que o sucesso da oficina de dança venha a se concretizar a cada ano. Este ano, em que completam 10 anos, estão ainda mais de parabéns”, afirmou.

O espetáculo prossegue hoje (30), com reapresentação a partir das 20 horas, também no Salomão Baruki. “E o espetáculo será ainda melhor. Estréia sempre dá aquele friozinho na barriga, mas na segunda-feira, estaremos mais amadurecidos e faremos um show ainda melhor”, garantiu Joilson. Apesar dos 10 anos à frente do projeto, ele afirmou que considera toda apresentação como uma estréia.

“Sempre parece que é a primeira vez. A emoção é ver o resultado de um trabalho de um longo tempo sendo reconhecido pelo público. Isto não tem nada que pague. É a maior gratificação para um artista é esta: o teatro lotado, os aplausos”, encerrou o coreógrafo.

Rodrigo Nascimento – Subsecretaria de Comunicação Institucional