Novembro é mês de avaliações na Rede Municipal de Ensino

  Marcos Boaventura
  

Alunos da Escola Ângela Maria Perez fazem a Prova Brasil

Seguindo o calendário do Ministério da Educação (MEC), a Prefeitura de Corumbá está aplicando desde ontem (9) até sexta-feira (13), por meio da Secretaria Executiva de Educação, a Prova Brasil e a Provinha Brasil. A primeira avaliação é feita pelos alunos da 5ª e 9ª séries, enquanto que a segunda abrange estudantes de 2ª série da rede regular de ensino. As provas foram elaboradas e encaminhadas pelo MEC, sendo que a aplicação e a tabulação dos resultados são de responsabilidade do professor da turma e da coordenação pedagógica.

Nos dias 24 e 25 deste mês, alunos da 2ª a 9ª séries da Rede Municipal de Ensino (Reme) participam do Sistema de Avaliação do Ensino Fundamental. O SAEF/Municipal vai apontar o grau de aprendizado dos cerca de 18 mil alunos nas disciplinas de português e matemática. As provas serão aplicadas por estagiários da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) – Campus do Pantanal, com acompanhamento da direção e coordenação escolares e técnicos da secretaria executiva.

De 24 a 26 de novembro, professores, coordenadores, gestores e funcionários administrativos e alunos da Reme (acima de 12 anos, independentemente da série) fazem a Avaliação Institucional. “Todos esses instrumentos servem para medir como está o processo de aprendizagem dos nossos alunos, se estamos mesmo melhorando a qualidade do ensino oferecido a nossas crianças”, explicou o secretário executivo de Educação, Hélio de Lima.

No caso da Avaliação Institucional, a prova tem relevância estritamente local. “O objetivo é saber se todos os investimentos feitos pela gestão do prefeito Ruiter na Educação, tanto no aspecto salarial dos profissionais quanto na estruturação das escolas, estão refletindo na qualidade do ensino oferecido pelo Município”, complementou Hélio.

Provinha Brasil

A Provinha Brasil é uma avaliação diagnóstica aplicada aos alunos matriculados no segundo ano do ensino fundamental. A intenção é oferecer aos professores e gestores escolares um instrumento que permita acompanhar, avaliar e melhorar a qualidade da alfabetização e do letramento inicial oferecidos às crianças. A partir das informações obtidas pela avaliação, os professores têm condições de verificar as habilidades e deficiências dos estudantes e interferir positivamente no processo de alfabetização, para que todas as crianças saibam ler e escrever até os oito anos de idade, uma das metas do Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE).

Prova Brasil

A Prova Brasil visa avaliar o desempenho em língua portuguesa e matemática de estudantes de 4ª e 8ª séries (5° e 9° ano) de escolas públicas. Com os resultados do exame, será possível fazer um diagnóstico da situação nacional e regional da educação no País. Os dados serão utilizados para calcular o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) e melhorar a qualidade do ensino básico, uma das metas do Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE).

Implantado em 2005, o exame é organizado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), em parceria com as redes estaduais e municipais de educação. Como todos os alunos das turmas avaliadas fazem a prova, pode-se medir o desempenho por escola e por município. Já a outra avaliação da educação básica, o Saeb, que também avalia as mesmas séries e o ensino médio, mas por amostragem, permite apenas mensurar o desempenho nacional, por região e por Estado.

Ao conhecer o desempenho dos alunos, o diretor tem como saber a real situação da escola em relação às demais. Os resultados da Prova Brasil permitem aos dirigentes das escolas a troca de experiências de boas práticas pedagógicas. Além disso, secretários estaduais e municipais de educação podem, a partir do desempenho das escolas de sua jurisdição, elaborar políticas para reforçar a aprendizagem em suas localidades.

As questões da prova são elaboradas com base nas habilidades de leitura e interpretação de texto e de raciocínio diante de problemas lógicos. Além dos testes, os alunos respondem a questionários para opinar sobre os professores, o diretor e a própria escola.

Rodrigo Nascimento – Subsecretaria de Comunicação Institucional (com informações do MEC)