Em La Paz, Corumbá expõe ações de combate à raiva na fronteira

  Marcos Boaventura
  

A prefeitura tem atuado não apenas no município, mas também nas cidades da fronteira, como Quijarro e Puerto Suarez

Ações de prevenção e combate à raiva animal desenvolvidas pela Prefeitura de Corumbá na região de fronteira com a Bolívia serão apresentadas em La Paz, capital boliviana, durante reunião nos dias 14 e 15 de dezembro, organizada pelo Centro Pan-Americano de Febre Aftosa (Panaftosa-OPAS/OMS). O encontro vai reunir especialistas em saúde do Brasil, Argentina, Bolívia e Peru, para aprovação de um Termo de Cooperação Técnica visando o controle da raiva nas fronteiras dos quatro países. O trabalho desenvolvido pela Secretaria Executiva de Saúde Pública corumbaense poderá servir de referência para o desenvolvimento de um programa sobre zoonoses transfronteiriças.

Corumbá será representada na reunião pela médica veterinária Viviane Ametlla, gerente de vigilância em saúde da prefeitura. Conforme ela, a reunião em La Paz é a continuidade de um encontro sobre zoonoses transfronteiriças, realizado em março de 2009 na cidade pantaneira, quando o assunto foi amplamente abordado.

O convite foi feito pelo médico veterinário Mauro Rosa Elkhoury, representante da Organização Pan-Americana da Saúde / Organização Mundial de Saúde (OPAS-OMS/Brasil), que confirmou a participação também de um representante do Ministério da Saúde. Em ofício encaminhado à Secretaria Executiva de Saúde Pública, Elkhoury informou que Corumbá foi escolhida para participar da reunião pelo trabalho que já vem desenvolvendo há algum tempo, dentro dessa estratégia de cooperação técnica.

Para Viviane, o convite demonstra que a prefeitura está atuando de forma positiva, “não se preocupando apenas com o município, mas também com as cidades que fazem fronteira, entre elas, Quijarro e Puerto Suarez, na Bolívia”. Conforme a veterinária, durante a reunião em La Paz, será apresentado todo o trabalho desenvolvido na região, desde vacinação até coleta de material encefálico dos animais, que é enviado para análise na Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal (Iagro), em Campo Grande, além da própria assistência aos pacientes bolivianos agredidos, por meio de tratamento profilático humano.

A veterinária lembrou que, antes, as autoridades bolivianas não consideravam o resultado dos exames realizados pela Iagro como válido, por ser um laboratório internacional. “Após este termo, que deverá ser aprovado na reunião de dezembro, as autoridades do país vizinho estão considerando os exames, e os animais com resultado positivo passam a fazer parte das estatísticas”, comentou.

Conforme Viviane, graças a esta estratégia de cooperação técnica está sendo possível concluir o tratamento de pacientes bolivianos. “Quando eles abandonam o tratamento, informamos às autoridades para que realizem a busca e se conclua o processo”, ressaltou. Todas essas ações serão expostas no encontro em La Paz, incluindo a estratégia adotada em Corumbá, que não registra qualquer caso de raiva animal desde julho de 2008.

Antônio Carlos – Subsecretaria de Comunicação Institucional