Corumbá realiza a Conferência das Cidades nos dias 26 e 27

  Gesiel Rocha
  

Corumbá, enquanto espaço urbano, estará em debate durante dois dias; resultado será levado às conferências Estadual e Nacional

Começa nesta quinta-feira (26), em Corumbá, a Conferência Municipal das Cidades, com a finalidade de discutir os avanços, as dificuldades e os desafios na implementação da Política de Desenvolvimento Urbano local. A iniciativa é da Prefeitura Municipal, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Integrado e Secretaria Executiva de Infraestrutura e Serviços Urbanos, e o evento prossegue até a sexta-feira (27), no Centro de Convenções do Pantanal de Corumbá Miguel Gómez.

A Conferência Municipal é a reunião preparatória para as Conferências Estadual, que deve acontecer entre fevereiro e abril de 2010, e Nacional, programada para ocorrer entre 24 e 28 de maio do próximo ano, em Brasília-DF. O lema do evento é “Cidades para Todos e Todas com Participação Popular e Controle Social”. Esta será a quarta edição da conferência em Corumbá. A programação está sendo finalizada pela coordenação do evento, que escolherá 21 delegados para representar o município na etapa estadual.

De acordo com informações do Ministério das Cidades, que conduz a Conferência das Cidades em âmbito nacional, o propósito da iniciativa é aperfeiçoar mecanismos e instrumentos de participação popular na tarefa de combater as desigualdades sociais e transformar as cidades em espaços mais humanizados, ampliando o acesso da população à moradia, ao saneamento e ao transporte. “Esta é a missão deste ministério, criado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva em janeiro de 2003, contemplando uma antiga reivindicação dos movimentos sociais de luta pela reforma urbana”, comentou o ministro das Cidades, Márcio Fortes.

A proposta toma como base o fato de que, há menos de um século, as cidades brasileiras abrigavam 10% da população nacional, número que saltou para 82% atualmente, resultando em um incontrolável processo de inchamento e aumento das desigualdades sociais. “Agora, pela quarta vez, nos deparamos com a oportunidade de levar à administração pública a tradução da vontade popular de discutir as cidades. Estamos diante do desafio de garantir a continuidade e o aprimoramento do processo de participação e, mais ainda, a efetiva contribuição da sociedade na formulação das políticas públicas”, completou o ministro.

Gesiel Rocha – Subsecretaria de Comunicação Institucional