Professor de Corumbá ganha 52,3% a mais do que média nacional

Estudo divulgado há cerca de duas semanas pelo Ministério da Educação (MEC) mostrou que o salário médio dos professores brasileiros, para uma jornada de 40 horas/aula, subiu de R$ 994, em 2003, para R$ 1.527 em 2008.

Estudo divulgado há cerca de duas semanas pelo Ministério da Educação (MEC) mostrou que o salário médio dos professores brasileiros, para uma jornada de 40 horas/aula, subiu de R$ 994, em 2003, para R$ 1.527 em 2008. Para a mesma carga horária, um professor graduado em início de carreira, em Corumbá, recebe R$ 2.325, considerando o piso de R$ 1.000 por 20 horas/aula, mais a regência de R$162,50. Esse valor é, portanto, 52,3% maior do que a média nacional para a categoria, o que dá ao Município a condição de pagar um dos melhores salários aos educadores de Mato Grosso do Sul e até mesmo do Brasil.

Conforme o gerente de Recursos Humanos da Prefeitura de Corumbá, Wilson Roberto Fernandes, desde o início da gestão do prefeito Ruiter Cunha de Oliveira (PT), em janeiro de 2005, o piso salarial do professor graduado em início de carreira, para 20 horas/aula, acumula reajuste de 123,1%, passando de R$ 521,18, em 2004, para os atuais R$ 1.162,50 (sempre somados o salário base e a regência). Já o professor graduado em fim de carreira recebia, naquele ano, R$ 919,96 e, agora, recebe R$ 1.974,39, também por 20 horas/aula (incluindo o adicional por tempo de serviço). Neste caso, o reajuste acumulado desde 2005 é de 114,6%.

O vencimento total de um professor pós-graduado em início de carreira em 2004, era de R$ 651,48 pelas 20 horas/aula. Com reajuste acumulado de 123,1% até 2009, esse mesmo servidor passou a receber R$ 1.453,12. Para o professor pós-graduado em fim de carreira, o salário acumulou aumento de 114,6%, chegando a R$ 2.467,97 (também incluindo o adicional por tempo de serviço). Em 2004, o vencimento total para esse profissional não passava de R$ 1.149,95 por 20 horas/aula.

No caso do professor mestre, em início de carreira, o salário em 2004, para a mesma carga horária e incluindo a regência, era de R$ 716,59, enquanto que, para aquele em fim de carreira, era de R$ 1.264,94. Com 159,6% e 149,7% de reajuste nos anos da gestão do prefeito Ruiter, respectivamente, esse profissional passou a receber R$ 1.860 e R$ 3.159, sempre por 20 horas/aula. Na mesma ordem, um professor doutor que ganhava R$ 781,74 havia cinco anos (em início de carreira) e R$ 1.379,93 (em fim de carreira), agora recebe, respectivamente, R$ 2.325 e R$ 3.948,75. Nestes casos, os aumentos foram de 197,4% e 186,2%.

O gerente de Recursos Humanos destaca também que, até 2004, os professores que se aposentavam não levavam a regência para seus vencimentos, passando a receber apenas o salário base e adicional por tempo de serviço pelo resto da vida. "Agora, esses profissionais se aposentam com o valor integral que recebem quando durante a atividade. Apenas para citar um exemplo, o professor graduado pode se aposentar com R$ 3.948,78. Este passa a ser, com certeza, um grande fator de motivação para os educadores municipais", avalia, lembrando que a prefeitura promove constantemente a formação continuada dos professores em todas as áreas de conhecimento.

Contratações

Além da valorização salarial, a Secretaria Executiva de Educação foi a pasta que mais convocou servidores em Corumbá nos últimos cinco anos. De todos os 1.550 profissionais aprovados em concurso público e chamados pelo prefeito Ruiter, 268 são professores, o que representa 17,2% do total de convocações. Outros 471 funcionários – auxiliar de serviços gerais, auxiliar de merenda, auxiliar de disciplina, técnico de secretaria e especialista em Educação – também integraram o quadro permanente da Rede Municipal de Ensino (Reme) nos últimos cinco anos. No total, eles representam 30,3% dos convocados.

Para o secretario executivo de Educação, Hélio de Lima, o professor satisfeito, valorizado e periodicamente qualificado sempre foi a prioridade da atual administração, tendo em vista que "este profissional é um multiplicador de esperanças, um exemplo seguido por tantos cidadãos e um transformador do mundo, por atender pelo menos 40 pessoas a cada turno. Por isso, fazemos questão de dar a ele sempre as melhores condições salariais e de trabalho possíveis, para que tenha a possibilidade de continuar transformando a realidade".