Para Ruiter, mudar nome de Mato Grosso do Sul não é solução

O prefeito de Corumbá, Ruiter Cunha de Oliveira, manifestou-se nesta quinta-feira contra a mudança de nome de Mato Grosso do Sul para Pantanal. O debate em torno da proposta voltou à tona depois que Mato Grosso do Sul foi preterido na escolha da Fifa para a sede da Copa do Mundo na região pantaneira.

Ruiter entende que alterar o nome do Estado neste momento não é solução para trazer mais turistas e investimentos à região do Pantanal nem a Mato Grosso do Sul. Para ele, há outras batalhas a serem travadas, como a divulgação com mais eficiência das belezas naturais sul-mato-grossenses. Outro argumento do prefeito de Corumbá é que muitos projetos hoje que usam a chancela do Pantanal na verdade não chegam a beneficiar a cidade.

O prefeito considera que, em vez de trazer benefícios, a mudança geraria uma confusão de identidades, ao atribuir a todo um estado uma denominação que, geograficamente e historicamente, cabe apenas a uma região. O prefeito acredita, inclusive, que a mudança desagradaria a população da região. “O povo pantaneiro tem suas próprias características, cultiva sua própria cultura e gosta de ser reconhecido por esse diferencial”. Para Ruiter, seria criada uma “identidade sem legitimidade”.

Os corumbaenses torcem, por exemplo, para que seja aprovado um projeto de lei, apresentado pelo Deputado Federal Wander Loubet (PT), que dá ao Município o nome de Capital do Pantanal, medida que seria prejudicada caso o Estado tenha o nome alterado. O projeto já passou pela Comissão de Constituição e Justiça e aguarda agora a votação em plenário. 

Mesmo com o posicionamento contrário à mudança, Ruiter avalia que o debate é válido e defende que a população deve ser consultada a respeito, antes de qualquer decisão.