Banho de São João pode se tornar Patrimônio Cultural Imaterial

 Prefeitura de Corumbá

  
Banho do Santo no rio Paraguai. Tradição única no Brasil

Festa única no Brasil. Mistura de crendice e religiosidade, passando pelo profano, o Banho de São João pode receber o título de Patrimônio Cultural Imaterial Brasileiro. Será a perpetuação de uma tradição de Corumbá, trazida pelos árabes por volta de 1880, no século 19. O processo foi iniciado em 2007 pela Prefeitura Municipal que, este ano, está dando um passo decisivo para conseguir seu objetivo junto ao Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), do Ministério da Cultura.

Toda a festa do Arraial do Banho de São João está sendo registrada, inclusive com documentos fotográficos, por parte da Fundação de Cultura e Turismo da Prefeitura, atendendo uma orientação do prefeito Ruiter Cunha de Oliveira (PT), para encaminhamento ao Iphan, visando o reconhecimento e preservação dessa tradição secular, beneficiada pelo decreto 3.351, de 4 de agosto de 2000, que criou o Programa Nacional do Patrimônio Imaterial (PNPI).

“Estamos fazendo agora o acervo fotográfico do Banho de São João, que será um reforço ao processo, visando o reconhecimento desta festa como Patrimônio Cultural Imaterial”, explica a superintendente de Cultura, Heloisa Helena da Costa Urt. Conforme ela, o processo está bem encaminhado, inclusive com o cadastro das famílias que mantêm viva uma tradição única no Brasil, que é banhar o Santo, nas águas de um rio, no caso, o Paraguai.

“A festa existe em todo o Brasil, mas o banho de São João é só aqui. É isto que queremos registrar como Patrimônio Imaterial, a exemplo do que já ocorreu com a Viola-de-Cocho”, diz Heloisa Urt, se referindo ao instrumento que anima o cururu, que também integra as festividades do Arraial do Banho de São João, reconhecido como bem imaterial em 2004 pelo Iphan.

A presidente da Fundação de Cultura e Turismo, Ligia Maria Baruki e Melo, diz que o processo está bem encaminhado. “Já fizemos o cadastro das famílias de festeiros que, este ano, aumentou sensivelmente, e, agora, estamos providenciando o acervo fotográfico. Tudo será importante para o Banho de São João receber o título de Patrimônio Cultural Imaterial”, afirmou.

Hoje, Corumbá conta com 104 famílias de festeiros que mantêm a tradição de banhar o Santo nas águas do rio Paraguai. Destas, 31 participaram pela vez primeira do Arraial que chega ao seu final na noite de hoje, com direito inclusive à inauguração da Capela de São João, as 17h, na Ladeira Cunha e Cruz, via que integra o circuito do Arraial. É por ela que os festeiros descem em direção à prainha existente no Porto Geral, para o banho, que simboliza o batismo de São João por Jesus Cristo, nas águas do rio Jordão.

Tradição em família

Para o secretário executivo Carlos Porto, de Relações Institucionais, o título que a Prefeitura busca junto ao Iphan, será importante para manter viva uma tradição na cidade, cultuada pelas famílias corumbaenses. O processo foi desencadeado em 2007 na época em que Porto ocupava a pasta de Turismo. Ele demonstra confiança no trabalho que está sendo desenvolvido, acreditando inclusive que, “no aniversário de Corumbá, receberemos este título como um presente”.

O título é tudo que as famílias de festeiros desejam. Pedro Paulo Miranda, o Pepê, vencedor do Concurso de Andores de 2009, diz que espera com ansiedade. “É o que falta para o Banho de São João ter o merecido reconhecimento. Será uma referência oficial da cidade”, destaca.

Dona Epifânia da Silva Bastos, que mantêm uma tradição familiar, afirma que será a perpetuação da festa. “Importante. Aqui, é o único lugar no Brasil onde as famílias levam São João para o banho nas águas do rio”, comenta.