Se Essa Rua Fosse Minha proporciona emprego e geração de renda

 Prefeitura de Corumbá

  
No Senai, curso para capacitar participantes do programa

Trinta e cinco pessoas participam do curso de formação de mão-de-obra especializada na fabricação e assentamento de lajotas sextavadas. A capacitação é promovida pela Prefeitura de Corumbá, em parceria com o Senai, e faz parte da quinta turma do projeto “Se essa rua fosse minha”. São capacitados moradores dos bairros Aeroporto; Jardinzinho e do distrito de Albuquerque.

O projeto “Se essa rua fosse minha” faz parte do programa de governo do prefeito Ruiter Cunha de Oliveira, idealizado a partir de reuniões com a comunidade corumbaense, antes mesmo de ser eleito, em 2004. Através dele, está sendo possível a urbanização de bairros da cidade, além da geração de renda e capacitação do trabalhador. O projeto, depois de formatado e aprovado pelo Fundo Municipal de Investimento Social (FMIS), começou ser executado em 2007.

Na primeira etapa da qualificação, os alunos passam por 60 horas de capacitação teórica, dada por técnicos do Senai. Depois são submetidos a três meses de estágio prático, quando promovem a pavimentação com lajotas de ruas e alamedas dos bairros onde moram. Os alunos recebem uma bolsa auxílio durante o período do curso.

As aulas teóricas são ministradas na sede do Senai, no horário das 13h15 às 17h15 de segunda a sexta-feira, informou o coordenador do projeto Luiz Carlos Alves. O “Se essa rua fosse minha” é desenvolvido pela Prefeitura de Corumbá.

Com quatro turmas já formadas, o “Se essa rua fosse minha” já formou 144 alunos e promoveu o lajotamento linear de 3.410 metros de ruas. Foram lajotadas 25 alamedas e assentadas 290 mil lajotas.

Infraestrutura e renda

Moradora na rua República da Bolívia, no bairro Jardinzinho, Kátia Fernandes, destacou a importância social do projeto. “Pode ajudar, futuramente, como uma fonte de geração de renda. Dá a chance de um novo mercado de trabalho”, disse.

Kátia lembrou que o Se essa rua fosse minha tem o mérito de permitir melhorias visíveis na infraestrutura dos bairros. “Me sinto privilegiada em, primeiro, ter a chance de aprender. Depois, por ter a oportunidade de lajotar ruas no meu bairro”. A quinta turma tem 13 mulheres participando das aulas.

Outra aluna do curso, Juliana Catarina de Carvalho, também moradora no bairro Jardinzinho, contou que já espera pelo momento em que vai lajotar as ruas de seu bairro. “Vai melhorar o Jardinzinho”, afirmou.

Ela contou que o projeto da Prefeitura abre um indicador importante ao garantir uma qualificação profissional para os participantes do curso. “Você sai com um diploma, que ajuda a melhorar a renda”, disse.