Presidente quer que trem chegue a Corumbá em 2010

 Edemir Rodrigues
  

Vontade do presidente confirma manifestação apresentada pelo prefeito Ruiter, de que verdadeiro Trem do Pantanal só será retomado quando viajante puder conhecer Corumbá

Após andar de trem por 30 quilômetros, entre a estação do município de Aquidauana e do distrito de Palmeiras, em Dois Irmãos do Buriti, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, afirmou nesta tarde, em Campo Grande, que a pretensão do governo é que o transporte de passageiros pela ferrovia chegue até Corumbá até o final do ano que vem, o que significaria atender ao sonho antigo do povo corumbaense, de retomada do Trem do Pantanal. O presidente participou da viagem que inaugurou a volta do trem de passageiros a Mato Grosso do Sul.

Em sua fala na Estação de Indubrasil, em Campo Grande, o presidente disse que “na verdade, o Pantanal começa depois de Miranda” e que pretende fazer o trecho completo, a passeio, quando deixar a presidência da República. A afirmação do presidente confirma a manifestação já apresentada pelo prefeito de Corumbá, Ruiter Cunha de Oliveira, de que o verdadeiro Trem do Pantanal só será retomado quando o viajante puder conhecer o cenário pantaneiro mais famoso, que está em Corumbá.

Ruiter participou da viagem entre Aquidauana e Palmeiras, e disse que a iniciativa de colocar esse primeiro trecho em operação merece reconhecimento. O prefeito de Corumbá afirmou estar confiante de que, daqui para frente, o empenho continuará para colocar todo o trecho em funcionamento e dar aos turistas a oportunidade de conhecer o Pantanal em toda a sua plenitude.

Além desse aspecto, reforçou Ruiter, a retomada do Trem do Pantanal até Corumbá atende ainda a um resgate histórico. “O trem faz parte da memória afetiva do corumbaense”, afirmou o prefeito, ao lembrar, ainda, da dedicação que o presidente Lula tem demonstrado por Corumbá. “Os investimentos do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), são um exemplo claro do carinho que o presidente tem por nossa região”.

O senador Delcídio do Amaral, que também esteve na viagem, afirmou que o compromisso agora é levar o trem até Corumbá. As empresas responsáveis pela operação do trecho, a ALL e a Serra Verde, vão reallizar um estudo de viabilidade sobre o assunto até o início de 2010, conforme foi informado durante a viagem inaugural.

A estimativa apresentada é que colocar o trecho de 249 quilômetros entre Miranda e Corumbá em operação custaria R$ 100 milhões. O trecho entre Campo Grande e Miranda, de 220 quilômetros, teve orçamento de R$ 18 milhões, conforme anunciado, para recuperação da via e dos vagões que são utilizados, parte deles pintados com a temática pantaneira.