Prefeitura investe R$ 10 mi para reduzir déficit habitacional

 Prefeitura Municipal

  
No Aeroporto, 98 das 338 casas já em construção

A Prefeitura de Corumbá está investindo R$ 10 milhões na construção de mais 338 casas para reduzir o déficit habitacional na cidade. As obras fazem parte do Pró-Moradia, um programa de inclusão social financiado pela Caixa Econômica Federal, com objetivo oferecer acesso à moradia adequada à população em situação de vulnerabilidade social.

As novas unidades foram lançadas pelo prefeito Ruiter Cunha de Oliveira (PT) no ano passado e vão ser implantadas em três bairros da cidade: Aeroporto, Popular Nova e Jardim dos Estados. Fazem parte de uma estratégia do prefeito Ruiter Cunha de Oliveira (PT), para reduzir o déficit habitacional na cidade, estimado hoje em 4,5 mil unidades. Com estas 338 unidades em construção e também através do programa Casa Nova, do PAC, que prevê mais 800 casas, totalizando 1.138, haverá uma redução de 26%.

No Aeroporto, os serviços já foram iniciados. No local estão sendo implantadas 98 moradias, cada uma com 42,42 metros quadrados de área construída. As casas fazem parte do programa de Urbanização e Regularização de Assentamentos Precários. Vão atender, prioritariamente, famílias com menor renda per capta, com maior numero de dependentes, à mulher responsável pelo domicílio, aos idosos e aos portadores de deficiência. Obrigatoriamente, 3% das unidades serão destinadas aos idosos.

As obras no Aeroporto foram iniciadas em abril. São duas frentes de serviço em áreas localizadas ao lado do conjunto habitacional Jardim Aeroporto. Nesta fase inicial, 80 pessoas estão trabalhando no local e outros 80 deverão ser contratados no decorrer da construção.

Segundo o secretário executivo de Habitação e Regularização Fundiária, Luis Mário Romão, as casas serão dotadas de toda infraestrutura, como pavimentação asfáltica, calçadas, bem como a exigência contratual do programa social que deverá ser executado no transcorrer das obras. Ele informa que serão executadas dois tipos de moradias, nos padrões A e B, sendo 169 no A e 169 no B. A diferença, conforme ele, será no acabamento.

Luis Mário lembra que, através desses investimentos, a Prefeitura está buscando “reduzir o expressivo déficit habitacional do município, principalmente naquela faixa de renda compreendida entre zero e três salários mínimos. O Pró-Moradia é para isso”, comentou, explicando que as obras deverão estar concluídas no prazo de dois anos.