Encontro discutiu incidência de anemia falciforme em Corumbá

 Prefeitura de Corumbá
  

 Encontro reuniu diversos segmentos da sociedade 

A Prefeitura de Corumbá, por meio da Secretaria Municipal de Promoção da Cidadania, promoveu nesta quarta-feira, 13 de maio, o primeiro Encontro de Sensibilização sobre Anemia Falciforme. A iniciativa, que marcou a passagem do Dia Nacional de Luta Contra o Racismo, foi coordenada pela Gerência de Promoção da Igualdade Racial, em parceira com a Secretaria Executiva de Saúde Pública.

Durante o encontro foram apresentadas palestras sobre a doença e o perfil epidemiológico da anemia falciforme no município de Corumbá. Dados da triagem neonatal realizada pelo teste do pezinho em 5.817 bebês de Corumbá, no período de 2006 a março de 2009, apontou 158 casos de traços falciformes nas crianças que passaram pela avaliação médica na maternidade local.

Segundo a psicóloga da Triagem Neonatal da Secretaria Executiva de Saúde Pública, Nides Marcon, que foi uma das palestrantes, “o traço não é e nunca vai ser uma doença”. Significa uma herança genética que pode ser transmitida aos filhos.

O gerente de Promoção da Igualdade Racial, Edimir Moraes, destacou que o encontro teve saldo “altamente positivo” uma vez que trouxe o problema para discussão da sociedade.

A Anemia Falciforme tem origem desconhecida, mas provavelmente desenvolveu-se na África, milhões de anos atrás. Protege as pessoas contra malária, doença comum e séria nos países de clima quente. No Brasil estima-se que 3 de cada 100 pessoas são portadoras de traço.

A doença Falciforme é doença genética e hereditária, causada por anormalidade de hemoglobina dos glóbulos vermelhos do sangue, responsáveis pela retirada do oxigênio dos pulmões, transportando-o para os tecidos. Esses glóbulos vermelhos perdem a forma discóide, enrijecem-se e deformam-se, tomando a forma de “foice”. Os glóbulos deformados, alongados, nem sempre conseguem passar através de pequenos vasos, bloqueando–os e impedindo a circulação do sangue nas áreas ao redor. Como resultado causa dano ao tecido circunvizinho e provoca dor. O curso da doença é variável. Há doentes que apresentam problemas com mais freqüência e outros têm problemas esporádicos de saúde.

Geralmente é durante a segunda metade do primeiro ano de vida de uma criança que aparecem os primeiros sintomas da doença. Exceção é feita nos casos onde o exame de sangue – para detecção da doença – foi realizado já no nascimento ou no berçário. Até atingir a idade escolar é comum a doença se manifestar, é raro isso não ocorrer. A Anemia Falciforme não deve ser confundida com o traço falciforme. Traço falciforme significa que a pessoa é tão somente portadora da doença, com vida social normal.