Duarte quer campanhas agressivas para combater a violência

 Prefeitura de Corumbá

  
Palestra de Duarte foi ontem à noite no Salomão Baruki

Campanhas de marketing agressivas contra as drogas, a exemplo do que ocorreu com o tabaco, são apontadas pelo deputado estadual Paulo Duarte (PT), como uma das soluções para redução da violência urbana, especialmente envolvendo a população jovem. Ele foi o primeiro palestrante da noite de ontem, sexta-feira, no auditório Salomão Baruki, durante o encerramento do III Encontro de Promoção do Protagonismo Juvenil – Geração Jovem Consciente, promovido pela Prefeitura Municipal. Conforme ele, as campanhas teriam que ser em “cima das drogas ilícitas e também das lícitas”, citando como exemplo a bebida alcóolica, tida como uma das responsáveis pela grande incidência da violência juvenil.

“É preciso uma campanha forte, agressiva contra as drogas, para começarmos a mudar a realidade”, comentou o deputado, citando exemplo dos cigarros com imagens fortes, mostrando o mal que o fumo pode causar ao ser humano. Segundo ele não são somente as bebidas alcoólicas que devem ser o foco da questão. As drogas ilícitas também devem ser combatidas de forma enérgica, ações preventivas, para livrar o que ele classificou de “epidemia que afeta Corumbá e Ladário”.

No entender dele, a prevenção é um dos caminhos. No entanto, a família também deve estar presente, conversando, dialogando com os filhos, para que ele não siga o caminho das drogas, “que é fuga de alguma coisa”. Ressaltou também que é preciso apoio dos familiares para recuperação do jovem, caso seja usuário de droga ilícita, cocaína, por exemplo.

O deputado enalteceu a realização do encontro que promoveu o protagonismo juvenil, citou números da violência envolvendo esta faixa da população brasileira, e disse que é preciso “ir às origens dos problemas, onde as coisas começam”. Conforme ele, mudanças na lei (maior idade penal) não é solução para reduzir a violência. Além das campanhas contra as drogas, é preciso, no seu entender, haver envolvimento de todos, principalmente da sociedade. “É preciso que aconteça de forma conjunta e agora, já. A responsabilidade é de todos. O caminho começa pela prevenção e cada um de nós devemos fazer nossa parte”, reforçou.

Lembra que 75% das mortes violentas no Brasil atinge a camada jovem e que é preciso mudar esta realidade. “Isto tudo deve ser discutido por todos nós, inclusive pelos jovens que, esta semana, em Corumbá, proporcionaram este grande evento”. Para ele, foi uma demonstração que o jovem, que participou das atividades, foi realmente um protagonista, e não um “mero figurante de filme que passa e ninguém vê”.

Duarte destacou ainda que o jovem deve fazer parte da sociedade, “ser protagonista, não um figurante da sociedade, da vida”. Além disso, lembrou que os espaços para o lazer, cultura, são importantes, mas que “mais importante é ter direito à vida”. Se referiu aos dois jovens de 16 anos, assassinados dias atrás, na parte alta da cidade. “Estavam começando a vida”, lamentou.

Pregou uma atuação efetiva do jovem inclusive na política, acompanhando os atos daquelas pessoas eleitas pelo voto do povo, e que a “corrupção só vai parar quando houver a participação dos 51 milhões de jovens brasileiros no processo, participando, acompanhando a política, cobrar, não apenas deixar rolar”, ressaltou para, em seguida, lembrar que a “juventude é o presente do Brasil, e não o futuro”.