Quebra-Torto com Letras discute música, teatro e literatura

Teatro, música, literatura regional e a riqueza do Rio Paraguai são matérias-primas para as produções literárias que o público poderá conhecer e debater durante o 6º Festival América do Sul. O Quebra-Torto com Letras, tradicional encontro matinal que reúne escritores, estudantes e público em geral acontece neste ano em três sessões programadas para amanhã, 30 de abril, 1º e 2 de maio, no Moinho Cultural.

Na abertura, nesta quinta-feira, o Quebra-Torto traz o lançamento do livro “Tá na rua – Teatro sem Arquitetura, Dramaturgia sem Literatura, Ator sem Papel“, de Licko Turle e Jussara Trindade. O diretor e ator teatral e fundador do grupo, Amir Haddad é o convidado especial para o bate-papo, junto com os dois autores. Haddad dirige grupos alternativos desde a década de 70, fundamentando uma linha de trabalho pesquisada por essa geração: disposição não convencional da cena; desconstrução da dramaturgia; utilização aberta dos espaços cênicos; e interação entre atores e espectadores. Essa linha de pesquisa se sedimentou no seu trabalho como diretor a partir da fundação do Tá na Rua, em 1980, grupo que encabeça até hoje.

Licko Turle integra o grupo de teatro Tá Na Rua desde 1995. É licenciado em Literaturas Portuguesa e Brasileira, mestre em Teatro, Educação e Cultura e Doutorando em Teatro pela Unirio. Atualmente, pesquisa a metodologia desenvolvida por Amir Haddad para a formação do ator para espaços abertos e grupos de teatro de rua do Brasil. É o coordenador técnico-pedagógico do Instituto Tá Na Rua para as Artes, Educação e Cidadania. Participa do Movimento Redemoinho e da Articulação da Rede Estadual de Teatro de Rua e Afins/RJ. Jussara Trindade é Doutoranda e Mestre em Teatro, Cultura e Educação, Licenciada em Música e Musicoterapeuta. Pesquisadora do Instituto Tá Na Rua para as Artes, Educação e Cidadania. O debate será mediado por Arlindo Fernandez, sul-mato-grossense de Caarapó, que lançará o livro“ O Homem da Lua“, uma reunião de contos fantásticos.

No dia 1º de maio, o compositor e escritor Sérgio Cabral brinda os convidados com o lançamento dos livros “Nara Leão – Uma Biografia” e “Antonio Carlos Jobim – Uma Biografia”. Autor também de biografias de outros grandes expoentes da música popular brasileira, Cabral publicou obras como “As Escolas de Samba – o que, quem, onde, como, quando e por que” (1974), “Pixinguinha, Vida e Obra” (1977); “Tom Jobim” (1987); “ No Tempo de Almirante” (1991), “No Tempo de Ari Barroso” (1993); “Elizeth Cardoso, Vida e Obra” (1994); “As Escolas de Samba do Rio de Janeiro” (1996); “A Música Popular Brasileira na Era do Rádio” (1996); e “Pixinguinha Vida e Obra”(1997). Samuel Xavier Medeiros, advogado e escritor, será o mediador dessa mesa de debates, e também lançará seu livro “ Senhorinha Barbosa Lopes“.

No dia 2, a última sessão do Quebra-Torto com Letras do 6º FAS traz para o debate dois convidados: o presidente do Instituto Histórico e Geográfico de Mato Grosso do Sul, Hildebrando Campestrini, para lançar a coletânea “Vida e Obra de Hélio Serejo“, e o pontaporanense Luis Alfredo Magalhães, que lança “Rio Paraguay – da Gaíba ao Apa“. A publicação de Campestrini é fruto de um trabalho minucioso de reunião de todas as obras do escritor sul-mato-grossense Hélio Serejo e compõe a chamada “Obras completas de Hélio Serejo”.

O catarinense Helio Campestrini é diplomado em Filosofia e Pedagogia, Licenciado em Filosofia e em Letras, Especialista em Língua Portuguesa. Exerce o magistério há 42 anos. Foi professor na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul e na Universidade Católica Dom Bosco. É professor titular de Linguagem Jurídica na Escola Superior de Magistratura de Mato Grosso do Sul e, entre outros, ministra cursos de Linguagem Jurídica em diversos tribunais e colegiados no Brasil, e ministrou cursos de Arte Poética na Academia Sul-Mato-Grossense de Letras. É autor de livros sobre Língua Portuguesa, Literatura Brasileira, história de Mato Grosso do Sul e sobre temas ligados à Justiça.

Luis Alfredo Magalhães é graduado em Direito, também estudou Jornalismo e Fotografia e trabalhou com imprensa e publicidade, além de lecionar História do Brasil. É autor da trilogia “Mato Grosso do Sul – Fazendas – Uma memória fotográfica”, obra que retrata parte da colonização e povoamento do Estado. A mediadora desse terceiro debate será Neusa Arashiro.

O Quebra-Torto com Letras oferece aos participantes a oportunidade de comprar os livros que serão lançados. Após os debates com os escritores, será servido o quebra-torto composto de pratos típicos de fazendas sul-mato-grossenses.

O evento acontece no Moinho Cultural, sempre a partir das 8 horas. (Assessoria FAS)