Exposição aborda inclemência do tempo na vida contemporânea

A exposição “A Trama do Tempo”, do artista plástico uruguaio Juan Muzzi, será aberta hoje, dia 29 de abril, às 20h, no Instituto Luís de Albuquerque (ILA), juntamente com outras duas exposições  que também estarão disponíveis ao público.

O artista plástico Juan Muzzi deu vida a uma ideia sobre o tempo que acabou por mudar sua própria vida. Na exposição “A Trama do Tempo”, Muzzi vale-se das cores primárias (azul, amarelo e vermelho) para criar obras que transcendem o singular. As formas humanas são retratadas quase que igualmente, dando sentido a massificação e igualdade tão presente na realidade atual da humanidade.

Vários artistas já questionaram o tempo, como Cazuza e a eternizada canção “O tempo não pára”, chegando ao famoso quadro “Saturno devorando um filho”, de Goya, que representa o deus Saturno que mastiga um de seus filhos. O deus Saturno da mitologia romana é o deus Chronos da mitologia grega, que simboliza o tempo. Neste caso, o quadro refere-se ao tempo que a tudo destroi, e que não perdoa a ninguém, nem aos próprios descendentes.

Nas obras de Muzzi, que já estiveram expostas no Consulado do Uruguai em São Paulo e na Sociedade Brasileira de Belas Artes no Rio de Janeiro, o homem é representado em conjunto com o relógio, o pássaro, a multidão e o Sol, em um quebra-cabeça sem definição, ou ainda em códigos de barras distorcidos, passando a mensagem de que todos não passamos de números, obedientes a ordens definidas por um poder superior.

O artista absorveu de tal forma a mensagem de suas obras que passou a administração de sua fábrica de brinquedos para os empregados, de modo que pudesse se dedicar com afinco à arte contemporânea. Algumas obras estão disponíveis no site www.juanmuzzi.com.br .

O Festival América do Sul acontece em Corumbá de hoje até 3 de maio. A exposição “A Trama do Tempo” acontece no ILA, localizado na Praça da República, 119, no centro. (Assessoria FAS)