Cidade Dom Bosco comemora 48 anos de fundação nesta sexta

Os 48 anos de fundação da Cidade Dom Bosco serão comemorados nesta sexta-feira, 3 de abril, com missas e atividades recreativas voltada para crianças. A programação vai reunir alunos do Colégio Dom Bosco, do Centro Profissional Dom Bosco e crianças atendidas pelos projetos sociais da entidade, fundada em 1961 pelo padre Ernesto Sassida, um complexo missionário de atendimento à pobreza, através de escola, assistência social, reforço educacional, formação profissional, atendimento à saúde, ações de cidadania e abertura a Deus.

A programação será aberta às 7h30 com uma Santa Missa para os alunos dos 9º anos, Ensino Médio e do Centro Profissional Dom Bosco. Às 9h, celebração da segunda Santa Missa do dia para os alunos de 5º a 8º ano e Projeto Criança e Adolescente Feliz.

Na parte da tarde, mais atividades com as crianças na Igreja, além de atividades recreativas. As comemorações serão encerradas às 19h, com a celebração da Santa Missa com todos os alunos do período noturno. As Missas acontecerão na Igreja São João Bosco e pelo caminho os alunos passarão em frente à pequena casa Salomão Baruki, onde tudo começou, como forma de conhecer cada vez mais a história da instituição.

Fazem parte da Cidade Dom Bosco o Colégio Dom Bosco, Projeto Criança e Adolescente Feliz, Centro Profissional Dom Bosco, Assistência Social, Posto de Saúde, Afilhados, CENPER, entre outros setores, todos com enfoque no social.

História

A história da Cidade Dom Bosco está literalmente ligada ao padre Ernesto Sassida, seu fundador e primeiro animador do espírito missionário que dá sustentação a todas as iniciativas da instituição. Em 1958 padre Ernesto passou a reunir e organizar os meninos que andavam pelas ruas de Corumbá.

No dia três de abril de 1961 foi fundada a “Escola Profissional Alexandre de Castro”. Funcionando num pequeno barracão, na periferia da cidade, tornou-se a primeira semente que germinou.

A escola recebia meninos e meninas pobres, com a finalidade de oferecer formação profissional, instrumento para a sua inserção no trabalho, superando a própria situação de miséria.

Pouco depois, a pequena escola converteu-se num internato para recolher os meninos de rua que não tinham família ou viviam abandonados, expostos à marginalidade, prostituição e criminalidade.

Logo o barracão ficou pequeno. Ainda nesse período, em convênio com a Prefeitura, foi implantado um Centro de Saúde para atender adultos, meninas e meninos pobres.

Após percorrer diversas cidades do Brasil em busca de recursos, conseguiu apoio no exterior. Dessa forma, foi possível continuar a atender aos que procuravam a obra. Aos poucos, vários bem-feitores formaram uma rede de apoio financeiro. Entre 1969 e 1971, a Operação Mato Grosso, entidade italiana ligada aos salesianos, construiu uma grande escola de alvenaria.

A partir deste momento, a obra começou a se chamar “Cidade Dom Bosco”. Os jovens escolhiam o seu Prefeito e se organizavam em departamentos como numa autêntica cidade.

A instituição foi reconhecida pelo “Conselho Estadual de Educação” como experiência pioneira. Recebeu o nome de “Escola – Comunidade”, por oferecer uma educação integral: aulas e também outras atividades extra-classes e extra-escolares como banda marcial, teatro, shows, palestras educativas, campanhas de cidadania, envolvendo as famílias e a comunidade toda.

Na década de 1970, intensificou-se o movimento associativo (Scout, Bandeirantes, Vigilantes Mirins, Engraxates, Vendedores ambulantes, Patrulheiros Mirins, e outros).

Visando protegê-los da rua e de seus perigos, foi inaugurada a Casa do Pequeno Trabalhador, uma resposta à realidade daqueles tempos, na qual os pequenos trabalhadores puderam ter acesso à escolarização e defesa de seus interesses.

Em 1972, com a ajuda do Poder Público Estadual, foi construído um Centro Esportivo e um salão de teatro. Com isso, favoreceu-se o desenvolvimento de atividades associativas da comunidade, coordenadas pela Cidade Dom Bosco.

No começo dos anos 80, surgiu um semi-internato que evoluiu até se converter no atual “Projeto Criança e Adolescente Feliz”. Nos anos 90 foi construído o Centro Profissional Dom Bosco, uma continuação das pequenas oficinas que instruíram muitos jovens nas décadas anteriores.

A formação recebida no Centro Profissional assegura aos jovens maiores oportunidades de trabalho dentro e fora de Corumbá, garantindo a plena execução da cidadania.

Com o tempo, o bairro periférico onde fora instalada a estrutura física da obra foi transformando-se. Hoje, o bairro chama-se “Dom Bosco”. A Cidade Dom Bosco é reconhecida como campo missionário e obra social de grande valor, apoiada pela Missão Salesiana de Mato Grosso, comunidade e as autoridades, favorecendo suas atividades, que tem compromisso em favor das classes menos favorecidas, preparando inúmeros cidadãos para a vida social e formação de novas famílias.

Sassida

Ernesto Sassida nasceu na Eslovênia no dia 15 de outubro de 1919. Ainda garoto, cultivou a vocação salesiana missionária. Chegou ao Brasil com 16 anos, em setembro de 1935. No país, continuou os estudos e foi ordenado sacerdote.

Enviado para Corumbá, entrou em contato com as familias pobres da região. Conheceu de perto a realidade das localidades e percebeu que havia um enorme contraste sócio-econômico entre ricos e pobres.

Tratou de oferecer opções aos perigos que enfraquecem especialmente as famílias mais carentes: a prostituição, o consumo e tráfico de drogas e outras situações que afrontam a dignidade da pessoa humana.

Fundou a Cidade Dom Bosco, complexo missionário de atendimento à pobreza, através de escola, assistência social, reforço educacional, formação profissional, atendimento à saúde, ações de cidadania e abertura a Deus.

Animador do espírito que sempre renova a Cidade Dom Bosco, tem se dedicado também com carinho à organização e atuação dos ex-alunos.

Muitas iniciativas e projetos que têm ampliado o alcance da obra são levados adiante por amigos da obra e ex-alunos, tais como: Sino da Caridade, Centro Padre Ernesto de Promoção Humana e Ambiental (CENPER), Projeto Pequeno Herói e Pequeno Herói Pantaneiro, Clube de Amigos do Padre Ernesto.

Desta forma, o trabalho desse sacerdote salesiano continua até hoje promovendo o bem na sociedade, em especial entre as crianças, adolescentes e jovens mais pobres. (com informações do site www.cidadedombosco.org.br)