No Clio Proença, Marcelo Negrão joga vôlei com alunos da REME

 Prefeitura de Corumbá
  

 Negrão ensinou fundamentos do voleibol aos alunos da REME

O campeão olímpico Marcelo Negrão visitou na tarde desta segunda-feira, 23 de março, a quadra de esportes da Escola Municipal Clio Proença, na parte alta da cidade. Alunos das escolas Cássio Leite de Barros e Almirante Tamandaré também participaram do encontro, promovido pela Prefeitura Municipal de Corumbá e pelo Banco do Brasil.

No Clio, Negrão encontrou a quadra lotada de crianças e professoras. Medalha de ouro nas Olimpíadas de Barcelona em 1992, o atleta foi recepcionado pela fanfarra da escola. “O esporte também é responsável pela formação profissional da criança. Ele deve ser matéria obrigatória em todas as escolas do país”, afirmou o atleta, que recentemente trocou as quadras pelo volvei de praia. “Nossa vinda aqui serve para despertar o interesse das crianças no esporte. É sempre uma emoção muito grande receber toda essa receptividade”, continuou Negrão.

Depois de falar com as crianças, o medalhista olímpico jogou vôlei com os alunos. Além de incentivar os jovens, ele ensinou alguns fundamentos básicos do esporte. “Um campeão olímpico pode estar em qualquer lugar. Mas para chegar a esse objetivo é preciso muita dedicação, treino e incentivo, sobre tudo dos pais”, completou. Marcelo integra o projeto Embaixadores do Esporte, mantido pelo Banco do Brasil.

“O objetivo deste projeto é, acima de tudo, divulgar o esporte como atividade fundamental no desenvolvimento da criança e também trabalhar a qualidade que muitas vezes ainda está escondida dentro desses jovens”, destacou o gerente geral do banco em Corumbá, Carlos Oliveira de Souza.

Para o diretor do Clio Proença, José Leopoldo Melgar Chaves, a presença de um atleta olímpico na cidade fortalece a vontade dos alunos na pratica esportiva. “Isso é essencial para a formação do cidadão. O esporte torna o aluno num cidadão completo. Ele não só disciplina como desenvolve integralmente a criança”, afirmou.  

À noite, no Espaço Educacional, Marcelo Negrão ministra palestra para os professores de educação física da REME. Amanhã ele participa da inauguração da quadra poliesportiva da Escola Isabel Correia de Oliveira.

Histórico

Em 1992, em Barcelona, Marcelo Negrão fez o ponto que deu a inédita medalha de ouro para o voleibol brasileiro. O então jovem de 19 anos, autor do saque que encerrou a disputa, despontava ali para o cenário mundial como um dos melhores jogadores de vôlei do mundo. Nascido em São Paulo, Negrão chegou a conquistar importantes títulos vestindo a “amarelinha” dentre eles o bicampeonato da Liga Mundial (1993/2001) e o tricampeonato Sul-americano (1991, 1993 e 1995). Nas quadras, ainda foi vitorioso na Itália, quando sagrou-se campeão nacional pelo Sisley (1994). No Brasil, tricampeão da Superliga: Olympikus (1996), Banespa (1997) e Ulbra (2003).

Há pouco tempo, Negrão trocou as quadras pelas areias. E se engana quem pensa que a troca foi precipitada. Recentemente ao lado do parceiro Giuliano (o Xuxo), Negrão conquistou o título Challenger do Circuito Banco do Brasil Vôlei de Praia. Com dois quartos lugares (8ª etapa/São Luís e 9ª etapa/Teresina), um terceiro (10ª etapa/Aracajú) e um vice-campeonato (7ª etapa Palmas) Negrão e Xuxo alcançaram o título, apesar de não terem vencido nenhuma etapa ainda. Qual a fórmula? Regularidade. E, segundo Negrão, a vitória “é uma questão de tempo”.