Ruiter e prefeitos da região reforçam campanha pela Copa 2014

 Prefeitura de Corumbá

  
Aldo, Ruiter e José Antônio reforçam campanha pela Copa em MS

Os prefeitos Ruiter Cunha de Oliveira (PT), de Corumbá; José Antônio Assad e Faria (PT), de Ladário, e Aldo Clavijo, de Puerto Quijarro, Bolívia, reforçam a campanha pela realização da Copa do Mundo de 2014 em Campo Grande. Os três embarcaram após o almoço para Campo Grande e integram o comitê, de autoridades de Mato Grosso do Sul, encarregado de recepcionar a comissão da FIFA e CBF que vai avaliar se a Capital tem condições de sediar jogos da Copa que será disputada no Brasil.

Antes do embarque, o prefeito corumbaense ressaltou a importância da realização da Copa do Mundo em Campo Grande. “É um sonho de todos nós sulmatogrossenses. Corumbá entra definitivamente na campanha para a capital ser a sede da Copa”, destacou.

Ele destacou a importância dessa realização no Estado. Para Ruiter, todos ganharão se a capital for aprovada como uma das sub-sedes. “Vamos mostrar as potencialidades do nosso Pantanal. Vamos levar a nossa motivação, a alegria do povo corumbaense, do pantaneiro”, reforçou.

O coro de Ruiter é reforçado pelo prefeito ladarense José Antônio. Ele cita que se a Fifa escolher Campo Grande como uma das sub-sedes, “todo o Estado ganha, principalmente o Pantanal”.

Aldo Clavijo, por sua vez, entende que a Bolívia também será beneficiada com a Copa do Mundo no Mato Grosso do Sul, principalmente pelas facilidades de acesso à capital. “Até lá a rota bioceânica estará pronta. Será mais uma ligação de Santa Cruz com Campo Grande, passando pela nossa região. Além disso, temos vôos direto de Santa Cruz a Campo Grande, bem como trem”, informou.

Segundo ele, se a Fifa optar por Cuiabá, os bolivianos praticamente ficam impossibilitados de assistir aos jogos do Mundial, devido às dificuldades de acesso. “A cidade mais próxima de Cáceres, na divisa de Mato Grosso com a Bolívia, é San Mathias. Uma viagem de carro dura praticamente o dia inteiro. Aqui não, são cinco minutos e estamos em Corumbá. Para chegar em Campo Grande são apenas mais quatro horas de carro. Com certeza, para a Bolívia é melhor a Copa ser disputada em Campo Grande”, reforçou, já torcendo pela classificação boliviana.