Negociação entre Vale e Rio Tinto é positiva, diz Ruiter

 Prefeitura de Corumbá
  

 Prefeito afirmou que negociação pode ser benéfica para o município

O prefeito Ruiter Cunha de Oliveira afirmou nesta manhã que a compra da Mineração Corumbaense Reunida (MCR), de propriedade da Rio Tinto, pela Vale amplia a expectativa de beneficiamento do minério de ferro ainda em Corumbá, aumentando assim as oportunidades de emprego no município. “Foi uma negociação positiva. A Vale já está sediada aqui, possui um pólo operacional muito forte e, segundo foi levantado pelo ministro Paulo Bernardo (Planejamento), a intenção da mineradora é investir na região”, disse Ruiter.

Para o prefeito, a negociação entre as duas gigantes da mineração é reflexo do atual momento de crise financeira mundial. “A Vale fez um excelente negócio. Adquiriu uma importante mina, mundialmente conhecida pela qualidade de seu minério”, continuou. “Pela riqueza dessa mina há a necessidade de se investir no beneficiamento deste material”, complementou.

Com relação às vagas de trabalho, a expectativa do prefeito Ruiter Cunha vai além da manutenção do número empregos atualmente gerados pela MCR. “Confirmando esta expansão no setor de siderurgia, a oferta de empregos vai com certeza crescer, o que acaba produzindo mais riquezas e alavancando o desenvolvimento do nosso município. A Vale é uma empresa nacional, a segunda maior mineradora do mundo e estamos felizes por ela estar aqui conosco”, completou o prefeito.

Segundo a Rio Tinto, a mina de Corumbá é um ativo de classe mundial, com alto teor de ferro e rico em granulados de redução direta, tipo de mineral com alto valor e que está se tornando crescentemente escasso no mundo. A região possuía ao final de 2007 reservas provadas e prováveis de 210 milhões de toneladas métricas, com teor de ferro de 67,0%¹, e recursos minerais de 583 milhões de toneladas, com 62,7% de teor de ferro.

Além da Mineração Corumbaense Reunida, a Vale também comprou a logística fluvial associada a MCR no Paraguai e o projeto de potássio da Potasio Rio Colorado (PRC), na Argentina, todos pertencentes ao grupo Rio Tinto. O negócio foi fechado em US$ 1,6 bilhões. A finalização da transação da mina de Corumbá permanece sujeita às aprovações reguladoras relevantes.