Lula inclui obras do contorno rodoviário de Corumbá no PAC

 Prefeitura de Corumbá

  

Prefeito Ruiter Cunha conseguiu a inclusão da obra no PAC  

As obras do contorno rodoviário de Corumbá estão incluídas no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), do Governo Federal. O anuncio foi feito nesta quinta-feira, 15 de janeiro, pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), durante encontro com o prefeito corumbaense, Ruiter Cunha de Oliveira (PT); com o seu companheiro de Ladário, Jose Antônio Assad e Faria (PT), e com o governador do estado, André Puccinelli (PMDB).

A notícia foi repassada à imprensa pelo próprio prefeito Ruiter Cunha que integrou a comitiva do presidente no ato realizado na Bolívia, que marcou a inauguração de dois trechos rodoviários naquele país, do chamado corredor bioceânico, que ligará o oceano Atlântico (Brasil) ao Pacífico (Chile e Peru).

No total, foram entregues 242 km de estradas asfaltadas, sendo 102 km interligando as cidades bolivianas de Arroyo Concepción e El Carmen, no valor de US$ 75 milhões, e trecho entre El Carmen a Roboré, 140 km, no valor de US$ 94,9 milhões.

O contorno rodoviário de Corumbá faz parte desse grande projeto e, segundo o prefeito, o Governo Federal vai disponibilizar, através do PAC, importância estimada de R$ 16 milhões para a execução da pavimentação do trecho de 12,5 quilômetros, ligando a BR 262 à rodovia Ramão Gomes, na fronteira com a Bolívia.

Segundo Ruiter, a obra, além de atender o projeto do corredor bioceânico, vai também permitir desafogar o transito na área urbana de Corumbá, retirando o tráfego de veículos pesados da região central.

Rodovia

O presidente garantiu também a restauração da BR 262, rodovia que integra o corredor bioceânico, entre as cidades de Corumbá a Anastácio, divididos em quatro subtrechos. Dois deles já estão licitados e com dinheiro empenhados. Somente o quatro, Corumbá até a Ponte do Morrinho (rio Paraguai), num total de 65 quilômetros, serão investidos R$ 62 milhões. Desse total, R$ 51,5 já está empenhado. O outro trecho é de Miranda ao km 622, 65,4 quilômetros, orçado em R$ 60 milhões, com R$ 51,060 milhões já empenhados.

O projeto de restauração prevê a melhoria geral da BR-262. A pista, que hoje é de sete metros de largura, passará a ter 12, incluindo toda a melhoria do pavimento na área de rolamento e nos acostamentos. Nas vazantes das pontas (que são inúmeros ao longo de toda estrada que corta o Pantanal) terão platôs e cercas vivas, como força de facilitar o acesso dos animais por baixo, evitando a travessia pela pista.