Entidades podem participar do protocolo de combate à violência

A Comissão Intersetorial de Atenção a Pessoas em Situação de Violência abriu maior espaço à comunidade corumbaense para participação na discussão, revisão e finalização do protocolo da Rede Intersetorial de Atenção a Pessoas em Situação de Violência. Durante reunião na tarde de ontem, terça-feira, integrantes do grupo instituído pelo prefeito Ruiter Cunha de Oliveira através de decreto, optou pela criação de um canal direto com representantes dos mais diferentes segmentos da sociedade, para que eles possam encaminhar sugestões, contribuindo para a formatação do documento.

Na reunião ficou definido que as sugestões podem ser encaminhadas via e-mail, através do endereço npvps@corumba.ms.gov.br , até o dia 10 de fevereiro. O fechamento dos trabalhos está programado para 15 de fevereiro.

Os trabalhos da comissão estão sendo coordenados pela Secretaria Executiva de Saúde Pública e baseia-se nos seguintes eixos estratégicos: Mobilização e Articulação, Defesa e Responsabilização, Prevenção e Atendimento. O protocolo vai estabelecer o fluxo de encaminhamentos das pessoas em situação de violência, bem como instituir o processo de notificação das violências.

A rede intersetorial de atenção a pessoas em situação de violência foi criada no ano 2005, fruto da articulação da Prefeitura de Corumbá e o Ministério da Saúde, por intermédio da Área Técnica de Saúde da Mulher, tendo como parceiras, instituições ligadas às áreas de atenção policial, jurídica, de saúde, de serviço social e educação. A rede é integrada por organizações governamentais e não-governamentais da cidade.

Tem como objetivos promover a articulação dos atores sociais, governamentais e não-governamentais,
envolvidos na elaboração de estratégias de enfretamento do fenômeno;

Capacitar profissionais da área para o atendimento especializado de pessoas envolvidas em situações de violência (de ordem física, psicológica ou sexual e em casos de negligência);

Ampliar e implantar serviços nessa área, otimizando recursos humanos e materiais na construção de um modelo de atendimento para outras cidades do Estado e do Brasil.

Violência

A violência se constitui em uma das maiores causas de morbimortalidade que atinge, indistintamente, populações de alta e baixa renda, de diferentes raças, em espaços públicos e privados, predominantemente entre os jovens.

Dentre as mais graves violências que ocorrem no espaço público, destacam-se homicídio e estupro. O homicídio atinge mais os homens, sendo a principal causa da morte entre adultos jovens. O estupro prevalece entre meninas, adolescentes e mulheres jovens.

Segundo estudos da Fundação Perseu Abramo (Venturi, 2001), a cada 15 segundos, uma mulher sofre um ato violento por algum homem, normalmente por maridos ou namorados, atuais ou antigos. Estima-se que mais de 2 milhões de mulheres são espancadas a cada ano, entretanto, somente cerca de 10% das mulheres que sofrem violência procuram as delegacias.