Campanha mobiliza crianças no combate à dengue

 Prefeitura de Corumbá

  

 Crianças trocam material que pode servir de criadouro do mosquito por kits escolares

Centenas de crianças participaram nesta terça-feira, 20 de janeiro, da ação Troque Com a Gente. Para facilitar o acesso da população e aumentar a área coberta pela atividade, dois postos de coleta foram montados pela Secretaria Executiva de Saúde Pública de Corumbá, um na rua Wenceslau de Barros, entre major Gama e a 7 de Setembro, no Centro, e outro na rua Alan Kardec, no bairro Aeroporto. Neste ano, o programa é realizado em parceria com a Secretaria de Saúde de Ladário.

Dados do último Levantamento de Índice Rápido do Aedes Aegypti (LIRAa) realizado no município, apontam que o Centro é a região com maior índice de infestação por larvas do mosquito. A região apresentou 5,56%. O bairro Aeroporto também apresentou índice elevado de 3,19%. O considerado normal pelo Ministério da Saúde é de 1%.


O levantamento também apontou que nestas regiões, os materiais recicláveis (pneus, garrafas pet e latas) são os principais criadouros do Aedes Aegypti. São estes recipientes o principal foco do Troque Com a Gente, que substituiu o lixo por caderno, lápis, borracha e escova dental.


Nesta manhã, um verdadeiro batalhão de crianças participou da atividade. Jonathan de Arruda Júnior, de 10 anos, morador do bairro Popular Velha, trouxe sozinho um pneu de caminhão que estava no quintal de sua casa. “Troquei o pneu pelo caderno, que vai servir para o começo das aulas”, disse.


Samela Auxiliadora da Silva, 9 anos, trouxe o irmão, José Júnior, de apenas 3 anos, para trocar algumas garrafas pets. “Tudo isso aqui estava lá em casa”, contou a menina. Ela disse que pretende usar o caderno para ensinar as primeiras letras ao irmão.


Morador do Aeroporto, Willian da Costa (11) trouxe um carrinho de mão cheio de garrafas velhas de refrigerante e potes plásticos. “Recolhemos isso tudo pela vizinhança”, disse o menino, que contou com a ajuda dos outros 4 irmãos.


A dona de casa Guilhermina Maria Heredes, de 42 anos, elogiou a ação. “Moro em Campo Grande e estou em Corumbá passando as férias na casa da minha mãe. Acho essa iniciativa muito válida, porque a dengue é uma doença muita séria”, afirmou.