Sindicato Rural de Corumbá destaca ação política pró-Taquari

O Sindicato Rural de Corumbá destacou a decisão política das lideranças políticas do Governo Federal e Estado em intervir de forma concreta na recuperação e preservação do Rio Taquari. O programa de ações pontuais no rio será lançado oficialmente às 15h de hoje, na sede da entidade, pela Presidência da República.

Em processo de assoreamento desde a década de 70, devido o mau uso do solo no planalto e ausência de medidas de contenção na planície, o Taquari sofre um dos maiores desastres ambientais do País. Sua degradação também gerou impactos sociais e econômicos nos pantanais da Nhecolândia e Paiaguás.

Para o diretor do sindicato, Manoel Martins, por décadas os pantaneiros esperavam pelas intervenções visando salvar um dos rios mais importantes da planície. Ele realçou o empenho pessoal do presidente Lula, do governador André Puccinelli, do prefeito Ruiter Cunha de Oliveira e do senador Delcídio do Amaral (PT/MS).

“Existe hoje uma decisão convergente em nível geral, dos nossos governantes, do Ministério Público e da sociedade de que são necessárias estas intervenções. Uma concordância também de setores da mídia, que foram hostis no passado a nossa luta para salvar o Taquari”, disse Martins.

Conquista

O presidente do sindicato, Pedro Luiz Lacerda, em comunicado a todos os associados e taquarizanos, conclamando-os para participar do lançamento do programa, afirma que jamais a classe política havia de tal forma se engajado nessa árdua caminhada. “Nunca fomos tão longe em nossos propósitos”, citou.

Lacerda disse que o engajamento da classe política estadual foi fundamental para a tomada de decisão do presidente Lula, que em 2006 criou o Grupo de Trabalho Interministerial (GTI) para propor uma solução definitiva para o Rio Taquari. “O pantaneiro sempre esperou por esse momento”, destacou.

Sempre crítico às políticas governamentais em relação ao Pantanal, o diretor Manoel Martins reconhece que o programa a ser lançado hoje é um grande avanço para recuperar um milhão de hectares de campos alagados pelo assoreamento do Taquari. “Estamos acreditando nesse programa”, enfatizou.