Programa prevê 31 ações para recuperação do rio Taquari

 Prefeitura de Corumbá
  

 O secretário Cássio Augusto da Costa Marques destacou a união dos poderes e da sociedade para a recuperação do rio Taquari

Lançado nesta segunda-feira em Corumbá, o programa de recuperação e proteção ambiental do Taquari apresentou as 31 ações efetivas necessárias para a recuperação da bacia hidrográfica do rio, assoreado há mais de 30 anos. As propostas apresentadas pelo Grupo de Trabalho Interministerial (GTI), do qual a Prefeitura de Corumbá faz parte, englobam questões de conservação de solo e água, organização e desenvolvimento tecnológico e institucional e a sustentabilidade da produção do médio e baixo Taquari. O Programa também determina intervenções simultâneas de curto, médio e longo prazo em todo o leito do rio, que nasce no Mato Grosso e deságua no pantanal sul-mato-grossense.

Para o secretário municipal de Desenvolvimento Sustentável, Cássio Augusto da Costa Marques, a reunião foi “extremamente” positiva. “Temos um documento que vai muito além de um protocolo de intenções ou de um simples pré-estrudo. Temos em mãos um programa de ação que foi construído com a parcela da sociedade que é diretamente afetada pelo problema”, destacou o secretário, que na oportunidade representou o prefeito Ruiter Cunha de Oliveira.

“Sabemos que o caminho a seguir ainda é longo, mas o passo dado aqui hoje é determinante. A partir de agora, a solução para o rio Taquari passa por inserir essas ações dentro dos recursos orçamentários da União, o que vai assegurar a seqüência do projeto”, continuou Cássio Augusto.

O secretário executivo de Desenvolvimento Agropecuário e assessor executivo de Projetos Especiais, Ricardo Éboli, destacou a atuação conjunta das várias esferas governamentais em favor da recuperação do Taquari. “Se não houvesse o empenho da administração do prefeito Ruiter, do Governo Federal, recentemente do Governo do Estado, e a vigilância do senador Delcídio do Amaral (PT/MS) não estaríamos presenciando este momento”, declarou.

Segundo Éboli, o Programa vai fomentar as atividades produtivas sustentáveis na região da planície pantaneira, fazendo com que a biodiversidade seja, a médio e longo prazo, igual ao que era antes da década de 70. “Agora o Governo Federal tem a responsabilidade orçamentária de destinar os recursos para que estas ações sejam efetivadas”, completou.

O programa de ações para promover a recuperação e proteção ambiental da bacia hidrográfica do rio Taquari calcula que serão necessários R$ 60 milhões para a execução das 31 ações. A partir desta sexta-feira, dia 12, o documento estará à disposição no site da Casa Civil (http://www.presidencia.gov.br/casacivil).

Todo os envolvidos no GTI de Ações Estratégicas para a Região do Médio e Baixo Rio Taquari participaram da cerimônia. A Casa Civil foi representada por Fernando Beltrão; Frederico Valente representou o Ministério da Integração Nacional. Paulo Guilherme Cabral o Ministério do Meio Ambiente; Antônio Paulo de Barros Leite o Ministério dos Transportes; e Humberto Gonçalves a Agencia Nacional das Águas (ANA). O senador Delcídio do Amaral também compareceu à reunião.

A secretária executiva de Meio Ambiente de Corumbá, Luciene Deová de Souza Assis, o superintendente estadual do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Davi Lourenço, o superintendente de Estado de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Supema), Roberto Ricardo Machado Gonçalves, o presidente do Sindicato Rural de Corumbá, Pedro Lacerda e o promotor de justiça do Meio Ambiente da comarca de Corumbá, Ricardo de Melo Alves participaram do evento.