Programa de recuperação do Taquari será lançado em Corumbá

Acontece na próxima segunda-feira, 8 de dezembro, o lançamento oficial do Programa de Ações Para Promover a Recuperação e Proteção Ambiental da Bacia Hidrográfica do Rio Taquari. O evento acontece às 15 horas na sede do Sindicato Rural de Corumbá. Durante o lançamento, serão escolhidos os membros do comitê gestor do Programa. O colegiado terá atribuições normativas, deliberativas e consultivas para gerenciamento das atividades.

Um dos principais afluentes da bacia hidrográfica da planície pantaneira, com 79.471,81 metros quadrados de extensão, o Taquari sofreu um dos maiores desastres ambientais do país. O assoreamento provocado pela expansão da agricultura na década de 70 na região do Alto-Taquari (formado pelas cidades de Alto Garças, Alto Araguaia, e Alto Taquari no Mato Grosso e Alcinópolis, Camapuã, Costa Rica, Pedro Gomes, Ribas do Rio Pardo, Rio Verde, São Gabriel do Oeste e Sonora em Mato Grosso do Sul) alterou o leito do rio e inundou permanentemente várias fazendas do Baixo-Taquari, em Corumbá, antes ocupadas por médios e grandes pecuaristas.

O principal objetivo do Programa é recuperar o leito original do rio, possibilitando inclusive a navegação. O comitê gestor terá a participação dos ministérios e entidades que integram o GTI (Grupo de Trabalho Interministerial) de Ações Estratégicas para a Região do Médio e Baixo Rio Taquari, criado pelo governo federal em 2006. O Ministério do Meio Ambiente (MMA); Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA); Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA); Ministério da Integração Nacional (MI); Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MP); e Ministério do Transporte (MT) integram o GTI, além da Agência Nacional de Águas (ANA).

Para o secretário executivo de Desenvolvimento Agropecuário, Ricardo Éboli, a Prefeitura de Corumbá foi um dos principais agentes na discussão do assunto. “O Município deu uma importante colaboração na elaboração do programa ao apresentar propostas e projetos de recuperação da Bacia do Rio Taquari”, afirmou.

“Em parceria com diversas entidades de classes, como o Sindicato Rural e a Embrapa Pantanal, a administração do prefeito Ruiter Cunha de Oliveira foi pioneira em apresentar propostas para solução deste problema, considerado por muitos como o maior desastre ambiental do Centro-Oeste”, continuou Éboli.

O secretário executivo também destacou a participação do senador Delcídio do Amaral e do governador André Puccinelli na questão. “Entendemos que a recuperação do Taquari somente será efetivamente concluída se todos atuarmos juntos”, concluiu.

Taquari

O rio Taquari nasce em Mato Grosso e corta o Mato Grosso do Sul até o Pantanal. A maior parte do rio (64,9%) fica em terras sul-mato-grossenses. A bacia do Taquari contribuiu com 16% do volume de água da Bacia Pantaneira. Suas águas respondem pela formação das sub-regiões do Paiaguás e da Nhecolândia, que juntas correspondem a 36% de todo o Pantanal brasileiro.

Na década de 70, o carreamento do solo nos pequenos riachos da parte baixa da bacia acabou induzindo a mudança no leito do rio, alagando enormes porções de terra. “É importante que todos paremos para refletir sobre nossas ações em relação à natureza em nosso dia-a-dia. Podemos estar praticando de forma gradativa e silenciosa danos futuros a nós mesmos”, comentou Ricardo Éboli.