Prefeitura planeja ações para combater a raiva animal em 2009

 Prefeitura de Corumbá

  
Agentes comunitários, parceiros para combate às doenças endêmicas na cidade

Contagem da população canina e implantação de um registro geral para controle dos animais são duas ações que estão sendo planejadas pela Prefeitura Municipal, para o combate à raiva animal na região de Corumbá. A estratégia está sendo discutida pela equipe da Gerência de Vigilância em Saúde, da Secretaria Executiva de Saúde Pública, com todos os agentes de saúde, visando a elaboração de um plano de trabalho que será encaminhado ao secretário da pasta, Cleber Colleone, para análise junto ao secretário de Ações Sociais, Daniel Martins Costa, e com o prefeito Ruiter Cunha de Oliveira.

A idéia é que estas ações sejam colocadas em prática a partir de 2009, com vista ao controle da raiva animal, bem como de outras doenças endêmicas, para Corumbá se tornar uma referência em saúde pública no Mato Grosso do Sul. “Os agentes de saúde são importantes neste processo. Eles vivem o dia-a-dia da comunidade, conhecem a realidade de cada região e estarão engajados nas ações de combate e controle das doenças endêmicas”, afirmou Viviane Ametlla, gerente de vigilância em saúde.

Ela está comandando os encontros com os agentes iniciados na manhã desta quarta-feira, no auditório da Secretaria Executiva de Educação, no Paço Municipal. “Estamos abordando não só a raiva, mas também a dengue e outras doenças endêmicas”, diz Viviane. Ela lembra que as reuniões terão seqüência hoje à tarde e amanhã, quinta-feira, nos dois períodos, com mais três grupos de 40 agentes cada.

Raiva

O foco inicial do encontro de hoje, pela manhã, foi a raiva animal. Foi apresentado um vídeo sobre a doença e, em seguida, Viviane fez um relato sobre a situação em Corumbá. Segundo ela, o trabalho desencadeado na cidade nos últimos três anos, começam a surtir efeitos positivos.

“Tivemos um caso em 2006, quatro em 2007 e cinco até agora, em 2008. Em conversa com especialistas em Campo Grande, eles afirmam que, a tendência era que já tivéssemos de 10 a 12 casos este ano. Tivemos cinco e isto é resultado de ações que estamos desenvolvendo. O ideal era que não tivéssemos nenhum caso. É isto que estamos buscando”, afirmou a gerente.

Viviane explica que um dos principais problemas para combate e controle da raiva em Corumbá é um fato da cidade fazer fronteira com a Bolívia. “Até 2006, não tínhamos casos. A fronteira seca é um problema. Em 2004, ocorreram cerca de 300 casos na Bolívia, inclusive em Santa Cruz, que engloba a província de German Busch, que faz fronteira com a gente”, diz.

Além do problema relacionado à Bolívia, o que aumentou a circulação viral, fazendo com que a Prefeitura de Corumbá desencadeasse vacinação de casa em casa, outro problema se refere à população canina que foi subestimada. “Precisamos fazer uma contagem da população canina. Estávamos com 17 mil doses e vacinamos 20 mil cães. Por isso a necessidade de uma contagem”, explicou.

A doença, mesmo com cinco casos até agora preocupa o setor de saúde pública. Tanto é que foram adotadas algumas providências, como vacinação domiciliar, captura de animais intensificada, medidas educativas, busca ativa de pessoas agredidas, bem como de animais sintomáticos. Apesar disso, Viviane acredita que medidas mais severas devem ser aplicadas para o controle da doença.

O plano que deve ser fechado nos próximos dias e apresentado ao secretário de saúde, implica também em intensificar a imunização dos animais (duas vezes ao ano), intensificar a captura (cães soltos pelas ruas ainda é um drama), fortalecer ações de vigilância na fronteira, alerta e atuação da vigilância epidemiológica nos atendimentos anti-rábicos humanos, medidas educativas, além de um trabalho em parceria, envolvendo todos os setores da saúde pública.