Não basta a lei, é preciso denunciar a violência, diz Paulo Duarte

 Prefeitura de Corumbá

  

 Para deputado, mulheres devem denunciar agressões

Ao falar para cerca de 200 moradores do bairro Cristo Redentor, a maioria mulheres, o deputado estadual Paulo Duarte (PT/MS), afirmou que a Lei Maria da Penha não basta para garantir o fim da violência. Para ele, as mulheres, principais vítimas, devem ter a atitude de denunciar o agressor, sem medo de ameaças e superando a opressão.

Duarte foi convidado para proferir palestra para os pais dos jovens que freqüentam o Centro de Apoio Infanto-Juveni, situado ao lado do Centro de Saúde Fernando Moutinho. O evento, realizado ontem, fez parte das atividades programadas na campanha 16 dias de ativismo pelo fim da violência contra as mulheres, que este ano tem como tema “Uma vida sem violência é um direito das mulheres”.

O parlamentar corumbaense disse que o Brasil avançou muito no combate à violência doméstica, destacando a coragem e a sensibilidade do presidente Luis Inácio Lula da Silva ao sancionar a Lei Maria da Penha, há dois anos. Lembrou que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) vetou a mesma lei.

“Não é uma lei contra os homens, até porque os atos de covardia são praticados por uma minoria”, ressaltou Duarte. “É uma lei a favor da dignidade da mulher; da igualdade de gêneros e sem machismo; a busca da harmonia no lar; pelos direitos e deveres que devem nortear as nossas vidas desde a criança.”

Investir na vida

Depois de parabenizar a atuação da Gerência da Mulher na questão do gênero, o deputado destacou as políticas voltadas para a cidadania desenvolvidas pela administração do prefeito Ruiter Cunha de Oliveira. Citou que além dos investimentos e obras, o governo municipal investe na vida, por uma cidade mais justa e solidária.

Ao finalizar sua fala, Paulo Duarte lembrou que seu mandato tem focado na questão da cidadania e direitos humanos. “É dever do parlamentar se preocupar com investimentos para a sua região, mas também lutar por aquilo que acreditamos, como é a luta pelo fim da violência, cuja mudança devemos começar pela criança”, evocou.

A atividade realizada no Centro de Apoio Infanto-Juvenil contou com a presença da Secretaria Municipal de Promoção da Cidadania, Maria Lúcia Ortiz Ribeiro, e da titular da Gerência da Mulher, Cristiane Santana.