Reunião define elaboração de protocolo contra violência

 Prefeitura de Corumbá
  

 Reunião definiu ações contra violência

A elaboração de um protocolo norteando a atuação da rede de proteção social no atendimento às pessoas vítimas de violência foi discutida pela Prefeitura de Corumbá, durante reunião da Secretaria Executiva de Saúde Pública; Ministério da Saúde e entidades que atuam no setor. A reunião para estruturação das ações da rede intersetorial de atenção às pessoas em situação de violência aconteceu na tarde desta quinta-feira, 27 de novembro, no Espaço Educacional.

O secretário Executivo de Saúde Pública, Cleber Colleone, explicou que o município vem debatendo a questão há alguns anos e o segmento avançou positivamente tornando possível a implantação definitiva de um protocolo de atuação. “Todos os entes envolvidos estarão cientes do que fazer, onde encaminhar, que atitude tomar quando receber o chamado para atendimento. Teremos condições para o profissional indicar diretamente o caso”, explicou o secretário informando que o decreto estabelecendo a comissão para análise e efetivação do protocolo deve ser publicada nos próximos dias.

Colleone enfatizou que embora com toda a qualificação do atendimento a Prefeitura trabalha com o intuito de evitar os casos de violência. “Queremos, na realidade, evitar que a violência aconteça. Estamos fortalecendo as ações de assistência e os cuidados para que não cheguem a sofrer a violência, é determinação do prefeito Ruiter Cunha”, disse.

A técnica da Secretaria de Atenção à Saúde, do Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas do Ministério da Saúde, Cláudia Araújo de Lima, destacou, durante a palestra que fez na reunião que o protocolo de Corumbá vai “esclarecer o papel de cada agente dentro da rede de proteção”.

Além de ressaltar a iniciativa da Prefeitura em “fortalecer e qualificar o trabalho dos técnicos locais” ela explicou que o conteúdo do documento conceitualiza “as diversas formas de violência que existem e define suas formas de atendimento na cidade. Também trará as normas para atendimento à vitimas de violência sexual e qual tipo de serviço a ser prestado pelos agentes da rede de proteção”, finalizou.