Novas etapas das obras de esgoto começam ainda este ano

Solenidade programada para o dia 25 de novembro vai marcar o lançamento de novas etapas das obras do sistema de esgotamento sanitário de Corumbá, que estão sendo implantadas com recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), com contrapartida do Governo do Estado. O evento terá a participação do governador André Puccinelli e do prefeito Ruiter Cunha de Oliveira.

As obras foram iniciadas este ano e a previsão é que a cidade passe de zero para 90% de atendimento com esgotamento sanitário tratado. Estão sendo investidos R$ 54.423.493,00 na ampliação da estação de tratamento de esgoto (ETE) existente no bairro Borrowisk; a construção de seis estações elevatórias; construção de uma segunda ETE, com capacidade de 80 l/s na primeira etapa e 40 l/s, na segunda; além de extensão da rede em 241.523 m e diâmetro variando entre 100 e 500 mm;a implantação de seis linhas de recalque, com diâmetros entre 100 e 300 metros, e 15.452 ligações domiciliares.

Conforme informações do gerente regional da Sanesul em Corumbá, engenheiro Januário Ximenes, no ato previsto para o final do mês, o governador autoriza ordem de serviço de todas as etapas restantes das obras de esgoto do PAC, inclusive da nova ETE prevista para a região do cimento Itau, e da rede coletora e ligações domiciliares de bairros da parte alta da cidade.

Atualmente, o município não conta com sistema de coleta e tratamento de efluentes, que são jogados no rio Paraguai pelas galerias de águas pluviais. A contaminação das águas do Pantanal, constatada pela Embrapa Pantanal, foi um dos argumentos do prefeito Ruiter Cunha de Oliveira na época, para sensibilizar a ministra Dilma Roussef (Casa Civil) e técnicos do Governo Federal para incluírem o município na primeira etapa do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

Antes de ser beneficiada pelo PAC, a Empresa de Saneamento de Mato Grosso do Sul (Sanesul) implantou uma rede coletora e construiu a primeira etapa da ETE do Borrowiski, para atender a região central e o Casario do Porto. Os recursos foram provenientes do Governo Federal, através de emendas parlamentares do senador Delcídio do Amaral e do deputado Vander Loubet, com contrapartida da Prefeitura.